Aurora Delai, uma linda história de voluntariado em Mirandópolis

Aurora Delai, uma linda história de voluntariado em Mirandópolis

Amai, Apae, Hospital do Câncer, Leilão da Igreja, Clube das Luluzinhas e muitas outras atividades sociais para ajudar o próximo. Essa rotina faz parte da vida de Aurora Brambila Delai há mais de 60 anos.

Filha de Santo Brambilla e Maria Catellan, ela nasceu em novembro de 1933 e foi criada com 11 irmãos. Morou na Fazenda Saudade (propriedade que ficava atrás da antiga Nestlé) de 1953 até 1969, local onde literalmente nasceram os cinco filhos. Lá também ajudou as empregadas que não conseguiam ir para o hospital no parto.

Um dos seus grandes orgulhos foi uma visita ao Japão em 1974 junto com um grupo de cidadãos mirandopolenses. A visita resultou na implantação da empresa Alumínios Nitinam que prestou serviços por longos anos no trevo de acesso à rodovia Marechal Rondon (SP-300) e mantém até hoje a Escola de Língua japonesa Takaoka oferecendo aprendizado às crianças, jovens e adultos.

Confira abaixo um bate papo que tivemos com a Dona Aurora Delai:

AGORA: Onde começou sua história com o Geraldo Delai?
Aurora Delai: Foi na Fazenda Saudade, isso em 1953. Lá foi onde criamos os cinco filhos, lembro muito bem dessa época porque cuidava da casa e colocava a mão na terra, cansei de matar porco e frango. Fazia queijo e doces para conseguir um dinheiro. Me recordo também que pegava os filhos para levar para estudar em Bauru, saia cedinho dirigindo e voltava no fim do dia, uma época que deixou saudades.

AGORA: Tem quantos filhos? E quando veio para a cidade?
Aurora Delai: Tenho cinco (Sonia, Sueli, Beto, Miguel e Geraldo) e todos nasceram na própria fazenda. Olhando para trás fico com muito orgulho da trajetória que eles percorreram, pois estão todos estudados e formaram lindas famílias. Mudamos para cá em 1969, justamente para essa casa onde moro até hoje.

AGORA: Está de repouso por conta da saúde?
Aurora Delai: Estou me recuperando para fazer uma cirurgia no fêmur, então infelizmente preciso ficar de repouso e não posso sair de casa. Mas se Deus quiser daqui a pouco estarei participando novamente das ações sociais.

AGORA: Sempre gostou de fazer esse trabalho social?
Aurora Delai: Gosto muito, isso começou lá atrás e sempre com o apoio do Geraldo Delai, meu parceiro em todas as ocasiões. Levei muita gente para operar em Andradina, junto com a Dona Jair Brasil, que tinha uma associação que ajudava com óculos e operação de cataratas.

O terreno onde hoje está a Amai foi uma doação do Geraldo, lembrando também que fui presidente do asilo por oito anos. Tenho saudade, pois fiz muitos bingos, lembro que saia pelo comércio arrecadando prenda para conseguir algum recurso.

No Leilão da Apae tudo começou na Fazenda Saudade, depois mudou para o Trevo e por último foi para o recinto. Participei de todos, fiz com muito carinho comida para os colaboradores, eram mais de 70 pessoas que ficavam encarregados pelo transporte dos animais. Na Apae também participei ativamente por muitos anos da diretoria. Coloca aí também que faço parte do Clube das Luluzinhas, tenho saudades dos encontros. O Seu Geraldo foi o grande incentivador das minhas ações sociais, um grande parceiro que fiquei casado com ele por mais de 50 anos. Mas reforço que sempre ajudei de coração.

Curiosidades

  • Moção de aplauso: em 2009, Aurora Brambilla Delai recebeu uma Moção de Aplauso pelas ações de benfeitoria às entidades carentes de Mirandópolis. Na ocasião era presidente da Amai, fazia parte da diretoria da Apae e participava ativamente dos leilões em prol do Hospital do Câncer de Barretos.
  • Nitinam e a irmandade Mirandópolis e Takaoka: de acordo com a história da irmandade entre Takaoka e Mirandópolis, tudo começou em 1974, quando um grupo de cidadãos mirandopolenses foram convidados pelo presidente da empresa Hokuriku Aluminium, Sr. Saburo Arai para visitar as instalações da indústria no Japão. Na ocasião, foram o então prefeito de Mirandópolis, Oswaldo Brandi Faria; o vice-prefeito Antonio Duenhas Monreal e sua esposa Terezinha Monreal; o empresário Ezio Macedo Veronese e sua mulher Wilma Veronese; os agricultores e pecuaristas Geraldo José Delai e sua mulher Aurora Brambila Delai e Mario Dias Varela e sua mulher Zilda Marques Varela e o presidente da colônia japonesa Tsutomu Nabeta. A parceria resultou na implantação da empresa Alumínios Nitinam que prestou serviços por longos anos no trevo de acesso à rodovia Marechal Rondon (SP-300) e mantém até hoje a Escola de Língua japonesa Takaoka oferecendo aprendizado às crianças, jovens e adultos.