Carlos Weverton pede demissão de diretora por publicação de mensagens na internet

Carlos Weverton pede demissão de diretora por publicação de mensagens na internet

O presidente da Câmara Municipal Carlos Weverton (MDB) pediu ao prefeito Everton Sodario (PSL) que exonere a diretora do departamento de Promoção Social, Natália Cristine Rodrigues. “Peço para que o prefeito atual reconsidere a contratação dessa senhora e coloque lá [no departamento] alguém que preencha os requisitos”, disse Carlos na sessão desta segunda-feira (18), no plenário da Casa Legislativa.

Natália havia sido convocada para prestar esclarecimentos sobre mensagens que teriam sido veiculadas por ela nas redes sociais em que afirmava haver um “esquemão” entre os vereadores durante a votação do projeto que dava autorização dos parlamentares sobre uma possível terceirização do Saaem por parte da prefeitura.

A diretora não compareceu ao plenário alegando que não estava no cargo quando “supostamente” teria feito os comentários. O jornal apurou que as publicações teriam ocorrido em 23 de outubro, já a nomeação de Natália ocorreu em 29 de outubro.

Outros vereadores usaram a tribuna para criticar a postura da diretora. O vereador Nivaldo Ribeiro (SD) disse que irá processá-la na justiça. “Se não consigo saber [o que seria o ‘esquemão’] pela Casa, vou saber pela justiça. Eu vou até o fim”, afirmou Nivaldo.

A mesma postura de crítica teve o vereador Luciano Bersani (PTB). “Você foi infeliz e covarde por não ter vindo nesta Casa hoje. Esquema nosso é trabalhar para o povo. Esquema maior é o dela, que vai ganhar quase R$ 8 mil”, rebateu Bersani.

‘DESCONHEÇO’

Natália chegou a enviar uma carta aos parlamentares recusando a convocação e se defendendo, mas o documento sequer foi lido em tribuna. Nela, a chefe de Promoção Social disse desconhecer as supostas publicações em redes sociais.

Veja abaixo a íntegra da carta de Natália enviada à Câmara Municipal.
Mais informações na edição 21 do jornal de sexta-feira (22).

Recebi em 12/11/2019 da Câmara Municipal uma convocação para que eu esteja perante os vereadores na sessão do dia 18/11/2019 às 20:00 Horas, cuja fundamentação são supostas publicações em redes sociais, as quais desconheço, mas que estão sendo direcionadas à minha pessoa, conforme a descrição do documento que me notificou. A convocação estaria amparada na Lei Orgânica do Município, artigo 30, inciso XII. Recebi do prefeito a mesma notificação, com todas as instruções dadas pela Câmara Municipal.

Verifiquei que os documentos deixam bem claro que a minha convocação é unicamente em razão das postagens, não sendo relacionado à minha função como Diretora de Promoção Social. Quero apresentar o que também está na lei orgânica, artigo 71, inciso IV. O texto diz que a convocação é para prestação de esclarecimentos oficiais, as postagens atribuídas à minha pessoa teriam sido feitas dia 23/10/2019, ou seja, antes da minha nomeação como Diretora, o que aconteceu em 30/10/2019. Não se tratam de questões oficiais. Os atos atribuídos a mim teriam sido cometidos na condição de cidadã comum, com todos os direitos que existem na constituição.

A convocação não é para que eu responda por questões do meu departamento ou da minha função como diretora, sendo assim, apresento, como todo o respeito, a minha recusa de ir à sessão do dia 18/11/2019 para esclarecimentos não oficiais relacionados a fatos atribuídos a mim supostamente cometidos antes da minha nomeação, conforme consta na convocação que eu recebi.

Esta resposta eu faço de livre e espontânea vontade, e a recusa é expressão da minha vontade. Coloco-me à disposição dos nobres vereadores para prestar esclarecimentos à respeito das minhas funções, assim como determina a lei municipal.