Sodario classifica situação da prefeitura de ‘catastrófica’ e assina decreto para diminuir gastos; Carlos Weverton contesta

Sodario classifica situação da prefeitura de ‘catastrófica’ e assina decreto para diminuir gastos; Carlos Weverton contesta

O prefeito Everton Sodario (PSL) classificou a situação da prefeitura como “catastrófica” e assinou decreto de contenção de gastos até o fim do ano. O prefeito fez o comentário em rede social em seu primeiro dia como Chefe do Executivo, em 29 de outubro. Um dia depois, ele assinou o decreto.

Segundo o documento, os órgãos da administração pública municipal direta ou indireta deverão adotar diversas medidas para redução das despesas de custeio, “sem prejuízos à eficiência e qualidade dos serviços prestados aos cidadãos”.

Dentre essas medidas está a racionalização do uso de linhas telefônicas fixas e celulares corporativos e adiantamentos de verba a servidores para realização de serviços fora da cidade ou participação em eventos. Nesse caso, haverá uma “rigorosa triagem” pelo diretor do departamento.

Além disso, o setor de transporte deverá controlar os gastos com as viagens, as compras de mercadorias deverão ser realizadas em quantidades necessárias ao uso diário e os serviços de manutenção dos veículos municipais que ultrapassarem R$ 5 mil de custos deverão ser contratados de forma parcelada.

Também está previsto no decreto assinado por Sodario, a suspensão de novos projetos que envolvam gastos públicos, o pagamento de horas extras realizadas sem autorização do diretor da pasta, o uso de maquinário pesado aos fins de semana, feriados ou após às 17h e a locação de veículos ou maquinários para eventos, serviços e viagens.

CONTESTA

O presidente da Câmara Municipal Carlos Weverton (MDB) – que esteve à frente do Executivo interinamente nos últimos cinco meses – contesta essa informação e disse, em tribuna na sessão de segunda-feira (4), que deixou saldo positivo de pouco mais de R$ 600 mil nas contas da prefeitura.

“No resumo financeiro, que fala sobre saldo de caixa em banco, assumi a prefeitura com R$ 6.623.044,00 e estou deixando com R$ 7.251.120,07. Mas isso não significa que a prefeitura esteja esbanjando dinheiro. A prefeitura está apertada. Esse dinheiro é específico para cada área como saúde e educação. Muito não pode ser utilizado para pagamento de recurso próprios”, falou Carlos em seu longo discurso sobre todos as ações realizadas durante seu governo.

O vereador assumiu a prefeitura no período em que estavam sendo pagos as parcelas de IPTU deste ano.

Decreto de contenção de gastos assinado por Sodario / Imagem: Diário Oficial da Prefeitura
Decreto de contenção de gastos assinado por Sodario / Imagem: Diário Oficial da Prefeitura