‘Não fomos consultados à época nem para dar uma ideia’, diz Bersani sobre mudança da prefeitura e rodoviária

‘Não fomos consultados à época nem para dar uma ideia’, diz Bersani sobre mudança da prefeitura e rodoviária

O vereador Luciano Bersani (PTB) disse que os parlamentares da Câmara Municipal sequer foram consultados sobre a mudança de local do paço municipal e do terminal rodoviário, ano passado. Bersani estava como presidente da Casa Legislativa. As transferências ocorreram na gestão do então prefeito interino Carlos Weverton (MDB). A declaração foi dada por Bersani durante a sessão extraordinária no dia 4 de fevereiro que aprovou um projeto de lei que autorizasse a prefeitura a abrir em seu orçamento crédito adicional especial de R$1.017.267,47. Carlos Weverton havia faltado na sessão.

Parte desse recurso será utilizado na reforma dos órgãos municipais, conforme informou o prefeito Everton Sodario (PSL). O dinheiro é oriundo do megaleilão do pré-sal realizado pelo Governo Federal e enviado ao Município em dezembro de 2019.

Durante sua fala, Bersani deixou claro que a administração municipal tomou a decisão de interditar os setores sem ouvir a opinião dos parlamentares. Ele ainda se desculpou com um comerciante que estava presente na sessão.

“Quero deixar uma coisa bem clara para a população: a gente está aqui para aprovar as coisas boas e corretas. A nossa prioridade hoje é a rodoviária. Quero aproveitar que o João, dono do bar, está aqui para pedir desculpas pelo que aconteceu. Porque os vereadores pagam o pato, mas sempre são os últimos a saber. Na hora que estava interditada [a rodoviária] é que ficamos sabendo. Quando fizeram o laudo ninguém nos procurou para falar que iria interditar. Depois que foi tomada a iniciativa, já não tinha mais como… Já tinha feito o laudo. E se fosse ficar [no mesmo local], iria sobrar para os vereadores também. Então, a gente é sempre os últimos a saber de tudo”, revelou o parlamentar.

O jornal ouviu um advogado especialista no assunto que afirmou que o prefeito municipal não é obrigado a pedir autorização dos vereadores quando pretende realizar alguma mudança de prédio das repartições públicas municipais por se tratar de um ato decisório do Executivo, mas entende que a comunicação aos parlamentares faz parte do jogo democrático.

Após o fim do discurso, a reportagem conversou com Bersani.

Segundo o edil, os vereadores nada poderiam fazer na época pois o laudo técnico já tinha sido realizado por uma empresa contratada pela prefeitura.

“Eu fui procurado depois que já tinha feito o laudo e que já tinha discutida a interdição. Nós, vereadores, ficamos sabendo depois. E não fomos consultados nem para dar uma ideia do que poderia ser feito. Os vereadores se sentiram na época acuados porque a população vinha até a gente e não sabíamos o que responder. Como o laudo já tinha sido feito não poderíamos evitar as transferências [do paço e rodoviária]”, disse o parlamentar.

As interdições ocorreram em julho do ano passado após laudo emitido por uma empresa terceirizada contratada pela prefeitura constar que a estrutura metálica que cobre tanto o paço municipal quanto o terminal rodoviário corria risco de desabamento.

Por conta disso, Carlos Weverton decidiu abrigar grande parte dos departamentos da prefeitura no ginásio de esportes. Ele alegou economia aos cofres públicos.

A Defesa Civil Municipal deu parecer favorável quanto às interdições, segundo o então prefeito interino.

O prefeito Everton Sodario, ao assumir o Executivo, chegou a gravar vídeos na internet exibindo a situação da estrutura do prédio esportivo, com rachaduras nas paredes e funcionários tendo que lidar com o forte calor.

A rodoviária foi levada para uma área comercial na rua Nove de Julho. Passageiros reclamam da falta de estrutura no local. O asfalto já cedeu por conta do intenso fluxo de ônibus.

Comerciantes que possuem concessão de uso dos estabelecimentos reclamam da queda na arrecadação. Há prejuízos de mais de 70%.

A reportagem entrou em contato com Carlos Weverton para comentar as declarações de Bersani, mas ele não se pronunciou.

Imagem de capa: Bersani criticou em sessão falta de diálogo do Executivo durante a mudança de local da prefeitura e rodoviária. Foto: Vinicius Macedo