Mirandopolenses são convocados para jogar no Vôlei Futuro

Mirandopolenses são convocados para jogar no Vôlei Futuro

Dois jovens atletas de Mirandópolis iniciaram em fevereiro os treinamentos no Vôlei Futuro, em Araçatuba. Henrique Nogara e Anderson Barbosa, ambos de 16 anos, participaram em dezembro de uma seletiva com outros 70 atletas, entre 13 e 17 anos, e foram escolhidos juntos com outros 23 jovens para integrarem os times de base.

“Comecei a praticar vôlei somente em 2018, na escola, daí com incentivo do professor Ricardo a princípio jogávamos apenas os escolares, mas não tínhamos um treino intenso. Em 2019, entramos para o Vôlei Mirandópolis onde passamos a ter treinos três vezes por semana e participar de competições em outras cidades”, explica Henrique de Souza Nogara.

Já Anderson Vital Barbosa lembra que a expectativa para passar na seletiva do Vôlei Futuro estava grande devido a dedicação que vinha realizando nos treinos semanalmente. “Na peneira tivemos aquecimento com bola e observação de posicionamento de quadra. Confesso que as expectativas eram altas para ser convocado, não por se sentir melhor que outros, mas pelo apoio e as técnicas aprendidas nos treinos de nossa cidade”, confidencia o atleta.

Agora morando em Araçatuba, os jovens participam dos treinos às segundas, terças, quintas e sextas-feiras, no ginásio de esportes Dr. Plácido Rocha, sendo que estão se preparando para disputar o campeonato da APV (Associação Pró Voleibol).

Time adulto em busca de patrocinadores

O time principal do Vôlei Futuro, que teve suas atividades encerradas em 2014, ainda está em fase de prospecção de patrocinadores para uma nova trajetória. No momento, algumas empresas avaliam essa possibilidade de investir, no entanto, ainda faltam as cotas máster.

O ideal é ter a definição de patrocínios ainda em fevereiro e ter o time formado em maio. A expectativa é participar da próxima temporada (2020/2021) da Superliga Brasileira de Vôlei, que é a competição que reúne os maiores times do País.

Outra alternativa é buscar recursos públicos por meio de editais que utilizam impostos para custear as atividades. No entanto, para participar, o clube precisa completar um ano de existência. Quanto aos times de base e adultos feminino, não há previsão de início das atividades. O objetivo é começar, primeiro, com as equipes masculinas.