Diretora da Saúde desabafa em rede social, aponta falta de pagamento de materiais e cita oportunismo político

Diretora da Saúde desabafa em rede social, aponta falta de pagamento de materiais e cita oportunismo político

A diretora do departamento de Saúde da prefeitura, Kathia Zogbi, fez um desabafo em uma rede social na última quarta-feira (1°). A gestora da saúde criticou as notícias falsas, o oportunismo político de algumas pessoas que provoca alarmismo na população e apontou problemas de atraso no fornecimento de materiais e medicamentos que, segundo ela, foram provocados na gestão anterior. Zogbi, entretanto, não citou nomes.

A chefe do departamento municipal de Saúde disse que a população tem dificuldade em compreender que o atendimento no Hospital é de responsabilidade do Estado e que as ações de saúde da prefeitura estão sendo realizadas. “Primeiramente para o povo e não para os políticos”, escreveu.

Kathia admitiu que existe uma falha na comunicação do setor quanto ao repasse de informações oficiais e que está tentando corrigir o problema. “Porém as informações têm sido muito dinâmicas, tardias e muitas vezes tendo que ser checadas a veracidade o que dificultam a serem divulgadas. No entanto, diante da pandemia do Covid-19, o departamento de Saúde em Mirandópolis não para”, postou.

Segundo Kathia, o site da prefeitura está divulgando diariamente os números de casos de Covid-19 no município, com base nos números que forem disponibilizados pelo Hospital. Conforme último balanço divulgado pelo setor da vigilância epidemiológica, 11 pessoas estão sendo investigadas com suspeitas de Covid-19 em Mirandópolis.

CASOS DE DENGUE

Na mesma postagem, a diretora fez alerta para o número de casos de dengue em Mirandópolis, que já ultrapassou a casa dos 700 positivos. “Embora é um índice alto, ao mesmo tempo é bem menor que a um ano atrás quando no mesmo período passavam de 2.150 casos confirmados. Essa redução se deve aos arrastões, a colaboração da população com a limpeza de seus quintais, terrenos e principalmente a ação conjunta dos Agentes Comunitários, as equipes de Vetores, departamento de Meio Ambiente e o total empenho do prefeito Sodario quando instalou a Sala de Dengue no Pronto Atendimento com o intuito de agilizar o atendimento, exames e hidratação ao paciente no mesmo dia”, escreveu em seu texto.

FATURAS NÃO PAGAS

Kathia teceu fortes críticas em “administrações anteriores”. Segundo ela, depois de cinco meses reorganizando as contas do departamento, apenas agora estão chegando os primeiros medicamentos na Farmácia Municipal, isso porque, conforme seu texto, as faturas de junho a outubro não haviam sido pagas.

Ela diz ainda que não apenas medicamentos estavam atrasados, mas também materiais de insumo e serviços de profissionais da saúde. Sobre os EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), a diretora disse que já foram distribuídos aos profissionais que porventura poderão ter contato com possíveis suspeitos de coronavírus máscaras, viseiras protetivas, luvas, álcool em gel, aventais e macacões.

Carlos Weverton (MDB) assumiu a prefeitura interinamente entre maio e outubro de 2019. O jornal o procurou para comentar as declarações. Segundo o vereador, ele irá propôr nesta segunda-feira (6) um requerimento para que prefeitura detalha a situação financeira que ele deixou. Carlos disse que o próprio financeiro da prefeitura o informou que pode haver alguma nota que não havia sido pago referente a mandados de segurança, pois eram valores altos e que chegavam sem prévio aviso.

“Mas médicos, medicamentos, despesas com insumos e outras da rotina sempre foram pagos normalmente. Inclusive estamos em abril e a prefeitura acabou de pagar dezembro. Ou seja, está com quatro meses de atraso, segundo relatos”, respondeu Carlos.

Publicações da diretora de Saúde da prefeitura em rede social. Foto: Divulgação/Facebook