‘Meu pai é minha referência porque ele não mede esforços para ajudar o próximo”, conta Julio Shimasaki sobre seu pai Kiyoshi

‘Meu pai é minha referência porque ele não mede esforços para ajudar o próximo”, conta Julio Shimasaki sobre seu pai Kiyoshi

Conversamos com Julio Kiyoshi Shimasaki, mirandopolense que nasceu em 1970 e que tem em seu pai Kiyoshi um grande exemplo de vida. Com um filho de dois anos (Leonardo), Julio tem uma nova motivação para seguir os caminhos de seus pais na agricultura de alimentos e nas atuações sociais para ajudar o próximo. Confira abaixo a entrevista completa.

Nasceu e cresceu aqui?
Nasci em fevereiro de 1970, em Mirandópolis, em uma casa com outros dois irmãos, sendo que tenho uma irmã mais velha e um irmão caçula. Não saí de Mirandópolis porque nós (japoneses) temos uma tradição que o filho mais velho precisa suceder o negócio do pai, com isso desde pequeno atuo na agricultura para dar continuidade no trabalho. Estudei até oitava série, que chamávamos de Grupo Escolar, na Terceira Aliança. O colegial fiz em Penápolis no técnico agrícola.

Quais as lembranças mais antigas?
Lembro que meu pai tinha granja e daí quando puxo na memória vem o trabalho de coletar ovos, limpar o cocho e dar ração, me marcou muito na infância. Daí nessa época também tínhamos plantação de milho, lembro de vários detalhes ligados a produção de alimentos.

O que recorda de Mirandópolis?
Minha maior alegria era ir no comércio, pois não era algo que fazia com frequência. Ficava abismado com Casa Moreira, Pernambucanas e Bazar Guarani, locais que me chamavam atenção quando criança porque não tinha muito acesso. Também lembro do tratamento dentário, que era algo luxuoso e que me marcou porque era uma forma de ter acesso a cidade (risos).

Sempre gostou do social?
Desde criança gostava de ajudar o próximo. Na infância fui presidente do grupo de jovens da cooperativa agrícola e presidente do grêmio estudantil na escola, Na medida que fui atingido a maturidade entrei no Rotary, chegando a ser presidente. Fui presidente por dez anos de um grupo de produtores da Terceira Aliança onde comprávamos e vendíamos em conjunto em prol dos agricultores locais.

Qual a produção na propriedade?
Estamos focados em goiaba, carambola, abiu, lichia e caqui. Hoje está diversificado com uma área totalmente irrigada, com micro aspersão. Passamos por dificuldades até 2015, não que está bom, mas melhorou muito e estamos trabalhando forte para superar a crise.

Seu pai recebeu um prêmio de empreendedorismo?
Isso, foi em 2014. Meu pai (Kiyoshi Shimasaki) recebeu um prêmio em São Paulo por seu grande espirito empreendedor que é muito difícil de alcançar. Ele conseguiu pelo pioneirismo na produção de carambola. Até então a fruta era considerada de fundo de quintal, mas meu pai começou a comercializar com um método pioneiro na poda da carambola. Algo sensacional que virou referência nacional.

Seu pai sempre foi um exemplo de vida?
Ele gosta do que faz, isso que me chama atenção. Pra você ter ideia tem vez que ele vem duas vezes no dia aqui pra cidade para resolver problemas da associação, precisa levar em conta que da propriedade até aqui tem 70 quilômetros. Ele é presidente da colônia da Terceira Aliança e também da parte esportiva das alianças. Ele não mede esforços porque sabe que isso vai ajudar o próximo, isso com 78 anos, realmente um exemplo para muitas pessoas. Sigo como referência porque tudo que ele faz é para ajudar o próximo, e nunca com pretensão política ou pessoal. Meu avô conta que no dia que estava vindo para o Brasil de navio o agiota queria tomar até a mala, ou seja, chegou sem nada. Então, essas associações sempre foram importantes para unir forças e melhorar. Meu pai não era vereador e brigava por asfalto, por telefone e tudo mais, sempre pensando na comunidade.

Exemplo de vida: Julio com seus pais