Ocorrências da Semana: confira o que aconteceu em Mirandópolis e região

Ocorrências da Semana: confira o que aconteceu em Mirandópolis e região

TENTATIVA DE FUGA
Houve uma tentativa de fuga na manhã de segunda-feira (23) na Penitenciária II de Mirandópolis, frustrada pela rápida atuação dos policiais penais. Por volta das 8h, um detento cortou a proteção, subiu no telhado e tentou fazer como refém um policial penal da segurança penitenciária. Quando os policiais penais da muralha viram a situação, deram tiros de advertência e o preso se rendeu, segundo nota do SIFUSPESP. Ferido por uma telha durante a tentativa de fuga, o detento foi encaminhado à enfermagem para fazer curativos antes de seguir à cela disciplinar. 

CAIU NO GOLPE DO CARTÃO
Uma mulher de 74 anos registrou um boletim de ocorrência na quarta-feira, (18) alegando que estava em sua residência quando recebeu uma ligação. Na linha a pessoa se passava por um funcionário do Banco do Brasil, dizendo que haviam tentando clonar o cartão dela e que iria buscar o cartão em sua residência para leva-lo na delegacia de polícia.

A vítima descreve o homem que se passava por funcionário do banco como negro, alto e cabelo baixo, utilizando um crachá. Ele chegou na residência solicitando a entrega do cartão e avisou que o banco ligaria para a mulher até às 15 horas para comunicar sobre o ocorrido, entretanto, isso não aconteceu.

Percebendo que foi enganada, a vítima ligou para o 190 e depois para o banco, que confirmou saques e compras em seu nome. Com isso o cartão foi bloqueado, mas o prejuízo foi de R$ 5785.

OUTRO ESTELIONATO

Um aposentado de 82 anos compareceu ao plantão policial na quinta-feira (19) explicando que recebeu uma ligação no dia anterior de uma mulher que se dizia trabalhar em um site de compra pela internet. Ela perguntou se o homem confirmava algumas compras feita no cartão de crédito, ele respondeu que não e desligou.

Depois de um tempo eles retornaram a ligação, sendo que insistiram sobre a necessidade de bloquear o cartão, e informaram que um homem iria até a casa do aposentado para levar o cartão para a polícia.

Segundo narrou a vítima, um homem foi até sua casa, usando crachá, e ele entregou dois cartões e também as senhas. Depois de um tempo o aposentado contou os fatos para o filho, que desconfiou do golpe e de imediato ligou para os bancos para bloquear os cartões.

Foram gastos R$ 11 mil de um banco e quase R$ 4 mil de outra instituição, sendo que parte foi ressarcido.

MAIS UM ESTELIONATO

Uma aposentada de 64 anos registrou um boletim de ocorrência na sexta-feira (20) alegando ter se dado conta que, em janeiro, realizaram um empréstimo em seu nome no valor de R$ 1.877.

As parcelas para o pagamento do empréstimo começaram a ser debitadas do benefício que a vítima recebe do INSS em outro banco, no valor de R$ 52,29 ao mês, sendo que começou em janeiro e terminaria em dezembro de 2025.

A vítima alega não ter realizado o empréstimo, muito menos ter creditado o valor dele em seu favor.

EMPRESTOU PARA O LADRÃO

Um professor de 31 anos registrou boletim de ocorrência na sexta-feira (20) porque sua mãe estava conversando com uma tia, que mora em Valparaíso, e, sem nenhuma interrupção na conversa foi pedido um empréstimo de R$ 908.

Como não foi a primeira vez que se fez empréstimo à tia, o rapaz transferiu o dinheiro para a conta indicada na conversa via WhatsApp. Ao contatarem a tia para confirmação do recebimento da transferência bancária, foi que se descobriu o golpe. Não há ideia da autoria e nem como foi possível o golpe.

FUGIU DO HOSPITAL
Uma enfermeira foi até a delegacia de polícia na terça-feira (24) relatando que desde o último dia 21 um homem se encontrava internado no hospital por conta de uma queda da bicicleta, conforme explicado no início do atendimento. Na terça-feira, sem qualquer autorização ou anuência por parte do hospital, o homem retirou o acesso venoso periférico, a roupa do hospital, colocou suas vestimentas e evadiu-se.

Ele se encontrava consciente, orientado e andando normalmente, segundo informações dos acompanhantes do quarto. Quando da passagem do plantão, notou-se a falta do homem e, ao questionar os demais pacientes, foi relatado que ele deixou a unidade.

Segundo os porteiros, ele não foi visto passando pelas portarias. Assim, cumprindo normas internas e visando resguardas de eventuais questionamentos, foi decidido procurar o plantão para registro dos fatos.