‘Voltei para mostrar que sou honesto e coerente’, comenta o prefeito de Lavínia Salvador Matsunaka

‘Voltei para mostrar que sou honesto e coerente’, comenta o prefeito de Lavínia Salvador Matsunaka

Conversamos com Salvador Matsunaka, prefeito eleito para comandar Lavínia no mandato 2021-2024. Com 68 anos, Matsunaka é natural de Adamantina e chegou em Lavínia em 1970. Confira abaixo a entrevista completa.

O que te motivou a ser candidato em 2020?
Na política tem algumas coisas que não podem ficar sem terminar. Acho injusto o que o Ministério Público e o Tribunal de Contas fizeram comigo. Eles falavam que cometi um ato de improbidade porque construí casas populares por conta do dinheiro que foi gasto em mão de obra no valor de R$ 58 mil. Tribunal me notificou e mandou devolver o dinheiro. Isso ainda está rolando, mas não foi julgado até hoje. Durante essa última campanha os adversários entraram com impugnação, mas fomos vitoriosos em todas as instâncias. Um prefeito que foi eleito três vezes e fez três substitutos, acredito que foi um bom realizador. Durante meus mandatos construí 360 casas populares, nos últimos 28 anos nenhum construiu sequer uma casa. Além disso, no meu mandato foram construídos três presídios que trouxeram e trazem diversos benefícios para a parte econômica da cidade. Precisava voltar para mostrar que sou um cara honesto e coerente, que sempre pensou em fazer um trabalho para a comunidade.

Quais os atuais problemas da cidade?
O povo me pediu muito para resolver o problema da saúde. Precisa mudar o atendimento da população, sem falar que precisamos trazer mais remédios para o povo. Na prática é possível organizar, nos outros mandatos consegui ajustar essas questões, vou melhorar nesse mandato também. Na saúde já estamos deixando dois motoristas de plantão na ambulância. Quando um sai para buscar alguém no assentamento ou Tabajara, ficava sem ninguém. Desde o dia primeiro colocamos dois motoristas no plantão noturno para resolver esse problema.

E a questão da água?
Lavínia tem um problema porque a parte alta da cidade sofre com a falta d’agua. Mudamos o horário de abastecimento e de soltar a água, e está dando certo. Fechamos o registro em 50% para não dar vazão tão rápido, enquanto isso a parte alta é abastecida. Queremos colocar uma bomba de recalque na caixa para trazer água para a parte alta da cidade. Dentro de uma semana devo organizar essa questão.

Como fica a educação em 2021?
Vamos seguir o protocolo do Governo do Estado, se ele falar que vai voltar, voltamos. Já iniciamos a reforma da escola municipal que precisa mexer urgentemente, dentro de 60 dias estará resolvido. A parte pedagógica devemos utilizar o material do Sesi. Queria lembrar do apoio ao universitário que tínhamos antigamente com a bolsa estágio. Eles ganhavam de 200 a 600 Reais, dependia da carga horária. De 2012 a 2016 eram 79 estagiários, agora quando voltei tinha apenas três. Gastávamos em torno de R$ 15 mil com estagiários, acho importante dar esse apoio financeiro para quem estuda.

Habitação será lembrada?
Já estive na Secretaria da Habitação pedindo 100 casas para o município. Deixamos o nosso pedido porque sabemos que eles têm um projeto de 10 mil casas. Para adiantar já compramos dois alqueires de terra, levei os vereadores para aprovar, porque é uma parceria entre executivo e legislativo.

Qual mensagem deixa para a população?
Meu compromisso segue o mesmo da minha campanha, pois prometo o que posso fazer. Quero melhorar a saúde, as estradas, o departamento de água, assim como trazer entretenimento para a população na medida do possível por conta do coronavírus. Precisamos melhorar a educação e assistência, se Deus quiser vai dar tudo certo. Precisa correr atrás e fazer, chego bem cedinho para conseguir estar a par de tudo. Mas não sou um prefeito de gabinete, gosto de estar na rua olhando o externo.

FOTO: Salvador e Renerio (vice-prefeito) no gabinete em Lavínia.