Covid-19: falta de leito na UTI e aumento expressivo dos casos positivos preocupa população em Mirandópolis

Covid-19: falta de leito na UTI e aumento expressivo dos casos positivos preocupa população em Mirandópolis

O áudio que circulou no WhatsApp de uma médica desabafando sobre a falta de leitos no Hospital Estadual foi o estopim para a população de Mirandópolis ligar um sinal de alerta sobre a realidade da saúde no município. Na cidade, o índice de ocupação na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Estadual alcançou sua totalidade na quarta-feira (17), não tendo mais vagas.

“Hoje (dia 17), a ocupação está em 61,5% na enfermaria e os leitos de UTI apresentam temporariamente ocupação integral. A demanda do setor varia no decorrer do dia em virtude de fatores como alta ou óbitos, por exemplo”, explica a Secretaria de Estado de Saúde (SES) em nota enviada ao jornal AGORA NA REGIÃO.

DECRETO NO MUNICÍPIO

O prefeito Everton Sodario anunciou na quinta-feira (18) um novo decreto considerando o agravamento da pandemia no município. O chefe do executivo estabelece novas regras para o funcionamento do comércio em geral e repartições públicas, válidas de 18 de março até 31 de março.

  • Fica estabelecido ao comércio local o funcionamento pelo período das 8 às 18 horas, de segunda à sexta-feira, vedado o funcionamento aos finais de semana;
  • Fica estabelecido ao comércio local no horário de funcionamento a adoção de medidas que comportem a capacidade de apenas 50% dos funcionários, salvo quando o estabelecimento possuir menos de 5 funcionários;
  • Fica estabelecida ao comércio a vedação ao atendimento ao público de forma interna, devendo adotar medidas necessárias a fim de se evitar aglomerações nas portas, devendo estas permanecerem abertas parcialmente (meia porta), bem como a adoção de protocolos de manutenção de distanciamento social e higienização.
  • Fica estabelecido aos restaurantes, lanchonetes, trailers, lojas de conveniência e similares a vedação ao atendimento ao público de forma interna, assim como nas medições locais, devendo ocorrer apenas os serviços de retirada no local por clientes, ou por meio de delivery, tão somente pelo período de 8 às 23 horas;
  • Fica terminantemente proibido aos bares o atendiento ao público de forma interna, assim como nas medições locais, devendo ocorrer apenas os serviços de retirada no local por clientes, ou por meio de delivery, tão somente pelo período de 8 às 18 horas;
  • Fica estabelecido aos mercados, mini mercados e similares o funcionamento com capacidade de atendimento de 30% do público, sendo permitida a entrada de apenas um integrante por família, findando-se o atendimento às 19 horas, sendo permitida apenas a permanência de 50% dos funcionários durante o expediente;
  • Fica vedado às feiras livres o atendimento para consumo no local, devendo ocorrer apenas os serviços de retirada por clientes, bem como fica vedado qualquer tipo de consumo nas mediações;
  • Fica vedado o funcionamento dos estabelecimentos comerciais dos quais as atividades possuam potencial de gerar aglomeração, sendo estes salões de festas, casas noturnas, áreas de lazer e chácaras;
  • Fica vedado o funcionamento de barbearias, salões de cabeleireiro, salões de belezas e demais estabelecimentos ou profissionais autônomos congêneres;
  • Fica vedado o funcionamento de clubes, academias esportivas e demais estabelecimentos congêneres;

O decreto informa que o descumprimento poderá acarretar a perda do respectivo alvará de funcionamento. Além disso, é importante ressaltar que os demais estabelecimentos não abrangidos no decreto, assim como bancos, lotéricas, terminal rodoviário, entre outros seguirão as regras estabelecidas pelo decreto estadual.

O documento confirma ainda que as repartições públicas municipais funcionarão apenas internamente das 8 às 11 horas e das 13 às 17 horas, ficando suspendo o atendimento ao público, salvo os serviços prestados pela Saúde, Social e Saaem.

ATENDIMENTOS MÉDICOS

A prefeitura de Mirandópolis informou que a partir do dia 15 de março estão suspensos: exame de prevenção ao câncer de colo de uterino (preventivo), atendimento médico eletivos e atividades coletivas. Estão mantidos os atendimentos médicos e de enfermagem para casos de extrema necessidade, atendimentos aos hipertensos e diabéticos descompensados, puericultura a partir de avaliação da enfermagem, consultas às gestantes e vacinação de rotina nas UBS. A medicação de uso contínuo será liberada para 60 dias.

CASOS CONFIRMADOS

O Departamento de Saúde de Mirandópolis confirma 24 vítimas da Covid-19 no município. Segundo o boletim da prefeitura com data de sexta-feira (19): 1.215 pessoas testaram positivo para o novo coronavírus, sendo 1.047 recuperados. São 131 em isolamento domiciliar, 10 em internação e 3 na UTI.

VACINAS EM MIRANDÓPOLIS

Iniciado em janeiro a campanha de vacinação contra a Covid-19 no município, já foram vacinadas 2.395 pessoas, sendo 1.004 com as duas doses, até sexta-feira (19). Os números do portal Vacinômetro são atualizados pelo governo do Estado de São Paulo.

No total, as cidades da região abrangidas pelo DRS-II (Departamento Regional de Saúde) já vacinaram 65.192 pessoas, sendo 23.482 com as duas doses necessárias. Pelas estatísticas estaduais, Araçatuba vacinou 18.052 pessoas com a primeira dose. A segunda cidade que mais vacinou, de acordo com o Estado, é Birigui, com 8.072 pessoas. Penápolis vem na sequência, com 5.869. A cidade de Andradina registra 4.991, e Lavínia vacinou 491 pessoas, sendo 165 com as duas doses. O Vacinômetro também indica que são mais de 3,3 milhões de pessoas vacinadas em todo o Estado, sendo 1,2 milhão que tomaram as duas doses.

COMO DENUNCIAR AGLOMERAÇÕES

Mesmo com o avanço da pandemia e a imposição de medidas restritivas para conter a covid-19, aglomerações e festas, que estão proibidas, continuam a ser organizadas. Para ajudar a encerrar estes eventos e tentar conter a transmissão do coronavírus, o governo estadual recebe denúncias por canais como telefone e e-mail para identificá-los e encerrá-los.

As equipes do CVS (Centro de Vigilância Sanitária) e do Procon (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor) possuem como canal principal para denúncias o telefone 0800 771 3541, que é gratuito. O CVS também atende pelo e-mail secretarias@cvs.saude.sp.gov.br, enquanto o Procon de SP recebe denúncias igualmente por meio do site e das redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter) da fundação.

Por estes canais, as denúncias são recebidas 24h por dia, inclusive aos fins de semana. No sistema, as informações enviadas pelos denunciantes são filtradas e a inspeção do local é programada pela Vigilância Sanitária. No caso de uma denúncia com uma aglomeração em andamento, o canal 190, da Polícia Militar, é a forma mais rápida para que se interrompa o descumprimento das regras sanitárias.

AUTUAÇÃO E MULTAS

De acordo com o Procon, proprietários de lugares que promovam aglomerações e festas clandestinas estão sujeitos a receber multa, que não são aplicadas na hora. “Abre-se um processo administrativo e, só depois, quando foi dado a ele (proprietário) o direito de defesa, inclusive, é que sai o valor da multa, que é calculado de acordo com o faturamento do estabelecimento”, esclarece o órgão.

Segundo a Secretaria de Saúde de SP, estabelecimentos que infringirem as regras de funcionamento estão sujeitos a multa de até R$ 290 mil.

“Pela falta do uso de máscara, a multa é de R$ 5.278 por estabelecimento, por cada infrator. Transeuntes em espaços coletivos também podem ser multados em R$ 551 pelo não uso da proteção facial”, acrescentou o Procon.