Confira as principais notas policias da semana em Mirandópolis

Confira as principais notas policias da semana em Mirandópolis
  • COBROU E APANHOU

Um lavrador de 53 anos esteve no plantão policial na sexta-feira (25) informando que procurou um homem para conversar já que ele tinha uma dívida de mais de um ano. O homem reagiu com agressividade ao ser cobrado, desceu do carro em que estava com um ferro e partiu para agredir o lavrador, dando duas pancadas nas costas.

Um parente de agressor ainda segurou o lavrador pelas costas, enquanto ele apertava o pescoço do senhor. O lavrador conseguiu pegar um canivete que tinha na cinta, usado para trabalhar, momento em que os homens correram. A vítima foi orientada a buscar atendimento médico para elaboração de corpo de delito indireto.

  • TENTATIVA DE ASSALTO

Um engenheiro de 28 anos compareceu na delegacia na sexta-feira (25) relatando que sofreu uma tentativa de roubo em sua residência na noite do dia 23. O homem percebeu uma agitação dos cachorros ao lado do corredor externo da casa, momento que em posse do celular utilizou a lanterna para tentar verificar o que estava acontecendo. Neste momento foi surpreendido por dois indivíduos que anunciaram o roubo falando “é um assalto”.

A vítima saiu correndo em direção a sala e tentou fechar a porta, neste momento um homem deu uma pesada no vidro, quebrando e estilhaçando parte do vidro da porta. Mesmo assim a vítima permaneceu dentro apoiando a porta para que eles não entrassem. A sua mãe ao ouvir o barulho, aproximou e ajudou a manter a porta fechada. O engenheiro chegou a reparar que um dos homens estava com uma faca na cintura.

A situação durou até o momento que o pai da vítima, que estava tomando banho, percebeu a ação dos delinquentes e gritou que iria pegar “a arma”. Ao ouvir isso os assaltantes saíram correndo e foram embora sem levar nada. O engenheiro procurou o hospital para atendimento médico por conta de uma lesão na perna provocada pelos vidros da porta.

  • CACHORRO DOENTE

Uma estudante de 20 anos esteve no plantão policial na terça-feira (29) informando que comprou um cachorro da raça “Shih tzu” de uma mulher que tem um pet shop pelo valor de R$ 500.  A comerciante disse que entregaria o cachorro depois do desmame, tempo estimado em 35 dias. O animal foi entregue à mãe da estudante, entretanto a jovem informa que percebeu que não era o cachorro que havia escolhido, além de perceber que o mesmo já estava doente. O cachorro ficou três dias com a mãe da declarante, mas não comia, nem mesmo quando a ração era batida com água, conforme instrução da veterinária.

O cachorro foi levado ao um outro veterinário, onde foi medicado, sendo que ao entrar em contato com a veterinária que vendeu o cachorro, a mesma solicitou que levasse até ela, o que foi feito. Após uma semana o animal veio a falecer. A declarante alega que desde então a veterinária a responsabiliza pela morte do cachorro.