Feiras livres de Mirandópolis ganham espaço entre os moradores

Feiras livres de Mirandópolis ganham espaço entre os moradores

Com uma grande variedade de produtos e músicas animadas, as feiras livres conquistaram um espaço especial na programação da semana de muitos moradores de Mirandópolis. Seja nas manhãs de domingo, na rua Rafael Pereira, ou nas noites de terça-feira, no Jardim Nossa Senhora de Fátima, é muito comum encontrar diversos munícipes circulando pelas barracas de frutas, verduras, pasteis e alimentos diferenciados que as feiras oferecem.

Flávio Rodrigues, de 28 anos, conta que frequentar a feira do bairro Nossa Senhora de Fátima já se tornou um hábito, “é um espaço muito acolhedor e tem grande variedade de produtos, mas o que eu mais gosto é que eu sempre acabo encontrando conhecidos que eu não via há tempos e os feirantes também são muito simpáticos e nos atendem muito bem, dá para ver que eles realmente gostam do que fazem”, comenta o morador.

A senhora Maria de Fátima Araújo, de 57 anos, também revela seu amor pelas feiras. “Gosto muito porque além de economizar eu também distraio a mente, como um pastel e fico sentada na praça conversando, é um ambiente muito gostoso, sempre que dá eu venho!”, afirma Maria.

Segundo o organizador, Valdomiro Sereia, as feiras livres da cidade contam atualmente com cerca de 30 feirantes, somando os participantes do município e das cidades vizinhas, mas de acordo com o organizador, este nem sempre foi o cenário de atuação das feiras locais. “Sou feirante há cerca 20 anos e trabalho com a organização de feira há quase 15 anos em Mirandópolis. Quando eu entrei só existia um ponto de feira na cidade, que era na Rafael Pereira, depois nós conseguimos realizar mais três feiras nos bairros, mas com o passar do tempo as feiras descentralizadas foram acabando e ficamos só com a feira do centro”, recorda Valdomiro.

O feirante ainda ressalta que houve um período em que as feiras deixaram de existir, devido ao pequeno número de feirantes locais e a baixa quantidade de produtos, que não supriam as necessidades do público para que houvesse movimento nos locais de venda. “O grande diferencial aconteceu quando eu trouxe os feirantes de fora, porque o pessoal da cidade já estava desanimado, eram poucos produtos e pouco movimento, então quando vieram mais feirantes isso acabou incentivando bastante os moradores de Mirandópolis a frequentarem as feiras e isso também ajudou os feirantes da cidade a venderem mais”, acrescenta o organizador.