‘Se hoje estivesse na campanha não diria sobre a venda do carro oficial e a respeito da redução de cargos de comissão’, analisa Everton Sodario

‘Se hoje estivesse na campanha não diria sobre a venda do carro oficial e a respeito da redução de cargos de comissão’, analisa Everton Sodario

Em setembro de 2019, ou seja, há dois anos, aconteceu em Mirandópolis uma eleição suplementar. Everton Sodario e Mirão foram eleitos e iniciaram o primeiro mandato à frente do Executivo do município. Conversamos com Sodario para fazer um balanço de algumas ações realizadas em seu plano de governo e outras que ainda não foram concluídas, confira abaixo os principais temas respondido pelo prefeito.

ATIVIDADE DELEGADA

“Conseguimos colocar em prática, pois na verdade existia uma lei aprovada de outro mandato, e faltava a assinatura do convênio. Hoje temos todos os dias da semana três policiais durante o dia prestando serviço para a prefeitura, daí a noite rodam a cidade. Com certeza trazem maior segurança, visto que a polícia tem uma defasagem no número de policiais prestando serviços no município. Para você ter ideia tivemos mais de 60 policiais, hoje tem um pouco mais de 30, ou seja, uma diferença muito grande. Então, a atividade delegada garante mais segurança, era um programa de governo que conseguimos efetivar esse ano.”

TRABALHO PARA OS DESEMPREGADOS

“Inicialmente pensamos em fazer a questão da frente de trabalho, mas com a pandemia vimos que não seria possível. Então fizemos um processo seletivo porque era mais viável, hoje contratamos com uma prova teórica e prática 38 munícipes que prestam serviço gerais para a administração pública.”

PAÇO E PRAÇA

“Um dos nossos objetivos no plano de governo era solucionar o problema do prédio da prefeitura e da rodoviária, assim como terminar a reforma da praça central. Reformamos e ampliamos o paço, gastamos mais de R$ 1,4 milhão, assim como a praça que estava parada na reforma e entregamos para a população.”

SANEAMENTO BÁSICO NOS BAIRROS RURAIS

“Estamos fazendo projeto para fossa séptica nos bairros rurais, por ser distante é mais viável a fossa. Existe uma dificuldade porque não tem galeria de água e esgoto, assim como tem lugar que não é asfaltado. Estou exigindo a fossa com muita seriedade porque está no plano estruturar com asfalto nos próximos anos. Fizemos uma economia de R$ 15 milhões nos últimos meses, sendo que separei R$ 4 milhões para o departamento de obras pavimentar as ruas do Amandaba, da Aliança e do próprio município. Estou pedindo agilidade do Saaem para concluir essa questão da fossa até no começo do ano que vem na Primeira ou Segunda Aliança para ficar como modelo, daí vamos dar sequência nos demais bairros.”

REDUÇÃO DE DEPARTAMENTOS E CARGOS

“Me arrependo de der tido isso (redução de departamentos e cargos de comissão), porque Mirandópolis tem poucos cargos em comissão. Qualquer município do tamanho do nosso tem um número muito maior de cargos de comissão. Se estivesse na campanha hoje não diria sobre a venda do carro oficial e a respeito da redução de cargos de comissão. Quando estamos do lado de fora temos uma visão, quando entramos na administração pública entendemos a importância dos cargos.”

MONITORAMENTO POR CÂMERAS

“Na quarta-feira (1) falamos sobre isso, escolhemos inicialmente oito pontos estratégicos. Estamos em contato com a própria Policia Militar para verificar os melhores locais, pois é muito provável que a fiscalização do monitoramento fica a critério da atividade delegada. Estamos iniciando a licitação, tínhamos visto seis câmeras no ano passado e ficava na faixa dos 20 mil reais. Essa questão será para o próximo ano, mas estamos dando andamento no processo,”

VALE ALIMENTAÇÃO

“Ainda é um projeto fazer a substituição da cesta-básica por vale alimentação. Não foi possível fazer nada ainda por conta da pandemia, pois não podemos onerar a receita nesse momento. A cesta básica entra como um benefício a parte, se implementar o ticket teremos problema.”

ATERRO MUNICIPAL

“Particularmente prefiro manter o transbordo, enviar o lixo para outro município que tem o aterro. Hoje gastamos cerca de R$ 1,8 milhão por ano com a coleta e envio do lixo, que hoje vai para Três Lagoas. Prefiro manter, porque para fazer o aterro vamos gastar em cinco anos mais de R$ 5 milhões, o aterro hoje ficaria cerca de R$ 15 milhões. Se fizer o aterro aqui vamos ter a responsabilidade desse manejo, então acredito que hoje é mais prático enviar do que regularizar.”

DOIS ANOS COMO PREFEITO

“Quando a gente assume percebemos o quanto a máquina pública é amarrada e burocrática. Queríamos fazer tudo de forma rápida, mas não é possível. Depois de cinco meses do meu mandato começou a pandemia. O Sodario de hoje é mais vivido, envelheci uns 20 anos, mas estou a cada dia mais firme. Serei eternamente grato a população pela escolha nas duas eleições.”