‘Vir para Mirandópolis foi uma das melhores escolhas que fiz na vida’, comenta Fabio Godoi, presidente do CAM

‘Vir para Mirandópolis foi uma das melhores escolhas que fiz na vida’, comenta Fabio Godoi, presidente do CAM

Conversamos com Fabio de Oliveira Godoi, 42 anos, nascido em Jundiaí. Com 13 anos começou a trabalhar em um hospital como office boy para ajudar nas despesas de casa. Em 2002, casou com a mirandopolense Inês Aparecida Rigueto Godoi (In Memoriam), sendo que mudou para Mirandópolis em 2006, local que nunca mais pretende sair. Confira na sequência a entrevista completa.

Como foi sua infância?

Cresci em Cajamar, morei lá até meus 15 anos, depois a gente mudou para Jundiaí, onde eu fiquei até 2006, quando vim para Mirandópolis junto com a minha esposa. Foi uma infância tranquila, infelizmente meu pai faleceu quando eu tinha um ano, daí como a minha mãe precisava sustentar os filhos, sou eu e três irmãos, eu passei a trabalhar quando tinha uns 13 anos no hospital Paulo Sacramento, como office boy e daí fui crescendo até chegar a coordenador de vendas. Trabalhei por seis anos e depois entrei em uma indústria química, como gerente administrativo.

Sua esposa era de Mirandópolis?

Isso, casei em 2002 com a Inês Aparecida Rigueto Godoi (In Memoriam) e a família dela é toda daqui. Em 2002 a gente se casou morando em Jundiaí, eu conheci ela lá, porque a avó materna dela mora lá. Casamos e ficamos em Jundiai até 2006, foi quando decidimos vir para Mirandópolis. No começo foi um susto, porque eu tinha um emprego e estava estabilizado, praticamente com tudo encaminhado. Na época a gente já tinha uma menina, a Maria Eduarda, aí a mudança foi logo que nasceu a Ana Laura. Aqui comecei a trabalhar como representante comercial na área de vendas de peças automotivas, onde estou até hoje. Há seis anos estou na Pelegrino, uma das maiores distribuidoras de peças do Brasil, e estou também na Ferragens Negrão, que é a maior distribuidora de ferragens do país, já estou há seis anos nas duas.

É feliz morando aqui?

Já tem 16 anos que eu estou aqui e hoje sei que vir para Mirandópolis foi uma das melhores escolhas que fiz, porque aqui é uma cidade muito boa para se morar, tem um pessoal bacana e acolhedor. Claro que no começo tem aquele susto, mas depois eu fui aprendendo a lidar com isso e hoje o meu sentimento é de que eu não saio daqui mais, porque eu fui aprendendo a gostar, fiz amizades e participo de muitas coisas.

Qual a sua ligação com a política?

Sempre participei dos movimentos políticos, isso desde os meus 15 anos, no tempo da escola mesmo a gente já tinha o movimento do PDT jovem. Também sempre participei ajudando o pessoal nas eleições, tanto de prefeito como de vereador e deputado. Eu sempre tive gosto pela política, de participar e estar dentro para ajudar realmente e fazer um trabalho diferenciado. Aqui em Mirandópolis tive a oportunidade de ser candidato, porque como eu não era conhecido, tinha a vontade de me tornar um pouco mais conhecido pelo trabalho que a gente vem fazendo e pela minha trajetória. Durante a eleição a gente participa mais à fundo, mas atualmente eu ainda participo nos bastidores, não tão envolvido, mas ainda participo.

Hoje é presidente do CAM?

Eu sempre participei das ações da igreja católica, nunca fui muito de aparecer, mas sempre colaborando e participando junto com a minha família. Isso me trouxe um certo envolvimento na sociedade, digo que cheguei na presidência do Clube Atlético Mirandópolis (CAM) justamente por causa disso. Já faz um tempo que sou sócio e na chapa anterior fui presidente do conselho; Fui convidado pelo Manzoti para fazer parte da chapa, trabalhamos bastante nesses dois anos e agora eles fizeram a indicação do meu nome como presidente. É uma chapa que já vem trabalhando pelo clube há 16 anos, então cada ano vai renovando alguns membros, mas a base é mantida.

Quais as prioridades do clube?

A prioridade agora é com relação a finalizar a sala de Jiu-Jitsu, que hoje o espaço está sendo o salão de festas. Como agora está tendo bastante procura por eventos, com a volta após a pandemia, a gente precisa ter o espaço do Jiu-Jitsu, então hoje a prioridade é terminar a sala. Mas nos últimos anos muitas coisas já foram feitas, então precisamos quitar essas dívidas, que foi por exemplo a aquisição de novos aparelhos, a instalação da placa de energia solar, que já gerou uma economia imensa para as contas do clube, então estão sendo feitas melhorias na medida do que a gente tem em caixa, para melhorar a aparência do clube para os sócios e para trazer os sócios de volta.

Quantos sócios tem hoje?

Atualmente somos em 576 sócios familiares, 112 sócios individuais e 70 sócios universitários, são três categorias. Se alguém tiver interesse em saber mais pode procurar a secretaria do clube que a gente explica a forma de pagamento, nós estamos facilitando a joia em 12 vezes no cartão de crédito e a pessoa pode usar tudo o que o clube oferece. O CAM abre 5h30 e vai até às 20h30. Hoje nós temos academia, Jiu-Jitsu, aulas de balé, funcional, todas as estruturas da sala de ginástica, temos step, zumba, jump, alongamento, jumpball, natação, hidroginástica com piscina aquecida, futebol, futsal, biribol, handebol e sauna masculina e feminina. Para quem quiser conhecer, estamos de portas abertas, só vir até a secretaria que detalhamos. Aproveito para agradecer o carinho que todo mundo tem comigo desde quando eu cheguei em Mirandópolis. Quero agradecer a nossa equipe, que confiou em mim, e também aos sócios, que vieram votar. Meu muito obrigado!