Falta de vacina antirrábica suspende campanha no município

Falta de vacina antirrábica suspende campanha no município

A prefeitura de Mirandópolis confirmou na manhã da terça-feira (30) que a campanha de vacinação contra a raiva para cães e gatos no município foi suspensa por tempo indeterminado devido a falta de doses da vacina que, segundo o Executivo, é fornecida pelo estado. A publicação ocorreu em redes sociais da prefeitura.

O jornal AGORA NA REGIÃO entrou em contato, via telefone, com a Secretaria de Estado da Saúde que afirmou que a distribuição das doses é realizada pelo Ministério da Saúde. Procurada, a pasta federal disse que adquire doses da vacina antirrábica para animais em quantidade suficiente para atender a demanda mensal dos estados.

O Ministério escreveu também que em 2019 foram enviadas sete milhões de doses para todo o país, sendo 1,5 milhão para o estado de São Paulo.  Ainda segundo a pasta, o Ministério da Saúde aguarda a entrega do laboratório fornecedor, que informou ter identificado problemas técnicos na produção da vacina. “A pasta está empenhada em solucionar este atraso junto ao laboratório fornecedor da vacina, e ressalta que as doses serão enviadas aos estados assim que a produção for normalizada”, informou o Ministério da Saúde.

A raiva é causada por um vírus que ataca o sistema nervoso dos hospedeiros. A doença pode ser transmitida pela mordida, lambida ou contato com a ferida de um animal infectado. Além disso, pode ser passada para humanos e por isso a vacinação dos bichos domésticos é importante. Até o momento, nenhum caso positivo da doença em humanos foi registrado no município.

Ano passado, a campanha em Mirandópolis ocorreu entre 1º e 30 de agosto na cidade e nos bairros rurais. A dose tem prazo de validade de um ano.

Várias cidades da região tiveram problemas com o atraso das doses, mas conseguiram realizar a campanha, é o caso de Pereira Barreto, por exemplo. Por lá, a campanha antirrábica ocorreu entre os dias 15 e 19 de julho e retomou na quarta-feira, 31 de julho e se encerra nesta sexta-feira, 2 de agosto. Mais de duas mil doses foram aplicadas.

VETERINÁRIO
Mesmo se tivesse disponível doses da vacina em julho, como ocorreu em Pereira Barreto, a prefeitura de Mirandópolis não conseguiria realizar a campanha devido à falta de um médico veterinário nos meses de junho e julho no CCZ. Para a realização da campanha é necessário o acompanhamento técnico do profissional.

O local estava sem médico veterinário desde 19 de junho, último dia do prazo do processo seletivo realizado pela prefeitura em caráter emergencial no ano passado. Como foi realizado concurso público para preencher a vaga aberta, a prefeitura não poderia estender esse prazo, e sim convocar o profissional aprovado.

No dia 26 de junho, a Comissão de Defesa e Proteção Animal da OAB de Mirandópolis encaminhou ofício ao prefeito interino Carlos Weverton Ortega Sanches (MDB) relatando sobre falta do veterinário no CCZ e solicitando providências para a contratação de um novo profissional. Sanches alegava dúvida se poderia ou não convocar o candidato aprovado por ser prefeito interino e aguardava recomendação do seu departamento jurídico.

No dia 24 de julho, Sanches publicou no Diário Oficial do Município a convocação do novo profissional. O jornal apurou que a médica veterinária não assumiu ainda pois está preparando a documentação necessária para sua apresentação ao departamento de Recursos Humanos, situação que deve ocorrer na próxima semana. 


                       
1709056148