‘Muitas coisas podem ser feitas, principalmente no esporte e na cultura’, ressalta o vereador eleito Claudio Morena sobre futuros projetos

‘Muitas coisas podem ser feitas, principalmente no esporte e na cultura’, ressalta o vereador eleito Claudio Morena sobre futuros projetos

Iniciamos uma série especial de entrevistas com os vereadores eleitos de Mirandópolis para a gestão 2021 / 2024 para conhecer suas intenções durante seu mandato. O critério utilizado para escolha foi por quantidade de votos recebidos, sendo assim o terceiro entrevistado será Claudio Morena, que é filiado ao PP.

Pode contar um pouco da sua história. É casado e tem filhos? Sempre morou em Mirandópolis? Onde estudou e trabalhou?
Sou casado com a Meire e tenho uma filha, a Maria Isabel, de 13 anos. Sou filho do Joaquim e da Antonia, meu pai sempre foi pipoqueiro, muitos anos trabalhando na Praça Central e no Clube do Zinho. Praticamente sempre morei aqui, só sai um ano para Votorantim, mas logo voltei. Trabalhei na Auto Mecânica Pauliceia, Volkswagen, Donato Auto Peças e Conselho Tutelar (2014 até 2020).

E quando começou ajudar na parte social?
Iniciou há cerca de 20 anos, começou com um projeto na Área Verde, atrás da penitenciaria. Daí depois montei projetos no Sonho Meu, Vale do Sol, Amandaba, entre outros bairros. Em 2012, ajudei na Casa de Recuperação, sendo que o Galpão do Bem iniciou em 2017. Devagar vamos ajudando as pessoas, penso em fazer outras coisas por aqui, tipo uma cozinha do bem, a horta comunitária, entre outras coisas.

Como define as funções do vereador?
É ser os olhos e ouvidos da população, zelar pelos direitos do mirandopolense. É trabalhar em prol de legislar e fiscalizar, o mais importante é fazer a cidade desenvolver.

Acredito que fazer projetos é uma importante função. Você tem algo em mente que pretende colocar em prática em 2021?
Concordo! Muitas coisas podem ser feitas, principalmente no esporte e na cultura. A cultura precisa ser trabalhada como algo social também, não somente entretenimento. Mirandópolis tem 86 anos e está atrasada, penso em colocar em prática um programa de Jovem Aprendiz, está praticamente certo uma parceria com a instituição Capaz, de Adamantina. Um dos objetivos é tirar o adolescente da rua e formar cidadão. Outra coisa que sonho, é ver a possibilidade de formatar uma escola agrícola. A nossa cidade comporta isso, tem a necessidade, quem sabe tem a possibilidade.

Acompanha as sessões da câmara? Entende como funciona a dinâmica do legislativo?
Já fui mais presente na câmara, mas prefiro não somente assistir a sessão, ir até lá para falar com os vereadores e o presidente da casa. Você indo nos outros dias, fora da sessão, facilita o diálogo para tirar dúvidas ou até passar alguma situação.

Qual foi o principal tema da sua campanha? Teve alguma proposta ideológica?
Minha campanha não levantou nenhuma bandeira. O vereador precisa se importar por todos os departamentos e áreas. Claro que meu forte é o social, mas pode acreditar que vou ocupar todos os espaços.

Algum ponto específico em um bairro ou algum problema mais grave que merece uma atenção especial assim que tomar posse?
Praticamente todos os bairros mais afastados precisam de atenção, pois muitos estão em vulnerabilidade. Esse pessoal é valorizado apenas em época de campanha, a parte carente precisa de muita coisa. Eles não têm voz, isso que complica, falta oportunidades para os jovens se capacitarem e ter oportunidades de trabalho. Uma das coisas que vou trabalhar é no incentivo da capacitação.

Um dos problemas citados na última gestão foi da relação legislativo e executivo. Como você acha que vai ser a relação no próximo mandato?
Espero que possa ser de aproximação, no intuito de fazer o melhor para a cidade. Não sei se vai acontecer, mas espero. É difícil falar em oposição na câmara, pois são pessoas conhecidas, que posso dizer que são amigos. Não pode acontecer o que aconteceu na gestão passada, temos a oportunidade de começar bem, quero acreditar que os vereadores irão buscar o melhor pra cidade.

Qual mensagem deixa para os mirandopolenses?
Serei um vereador por Mirandópolis, não de partido. Convivo no meio de pessoas que têm seus direitos violados, é triste. Hoje me sinto bem mais preparado do que em 2016, quero poder colaborar para que a desigualdade diminua.