Ocorrências têm furtos na igreja, crime ambiental e estelionato

Ocorrências têm furtos na igreja, crime ambiental e estelionato

Um homem de 29 anos compareceu terça-feira (25) na delegacia de Mirandópolis informando que trabalha na igreja Matriz de Mirandópolis. A vítima revela que no dia 6 de outubro as confeiteiras sentiram falta de alguns pacotes de açúcar que pertenciam a igreja. No local há câmeras de segurança, ao buscar as imagens o declarante constatou que no período da manhã um indivíduo fez a subtração de 25 pacotes de um quilo cada. A vítima não sabe informar a qualificação do autor, porem se compromete a apresentar as imagens que mostram um rapaz entrando no local sem nada e depois saindo com um fardo de açúcar. Além disso, uma mulher realizou um outro boletim de ocorrência na terça-feira (25) para informar que trabalha como auxiliar de limpeza da igreja matriz. Ela explica que no dia 28 de dezembro deixou seu celular em cima do balcão da cozinha e saiu por alguns minutos. Ao retornar se deu conta de que o aparelho havia sido furtado. As imagens captaram um rapaz que havia ido até a igreja para pedir uma cesta básica subtraindo o aparelho.

CRIME AMBIENTAL

Durante patrulhamento na segunda-feira (24), policiais militares ambientais visualizaram um grande equipamento de irrigação agrícola irrigando uma roça de abacaxi na Segunda Aliança, a qual estava a esquerda do ribeirão Travessa Grande. Para a implantação da bomba houve a supressão de vegetação nativa de mata ciliar do mencionado curso de água. Realizado o contato com o proprietário, ele relatou não possuir autorização para a captação da água, nem intervenção em APP. O homem disse também que a área total de plantio são 15 alqueires. Foi lavrado um auto de infração ambiental por destruir 0,04 hectares de vegetação nativa secundária em estágio inicial de regeneração, em área considerada de preservação permanente. A penalização foi de uma multa simples no valor de R$ 600.

ESTELIONATO

Um senhor de 70 anos esteve na delegacia de Mirandópolis na sexta-feira (21) informando ter sido vítima de um golpe no dia 18 de janeiro. Ele disse que recebeu uma ligação em seu telefone fixo de uma pessoa se passando por funcionário do banco Santander e falando que haviam sido feitas transferências da conta da vítima para as Casas Bahia em São Paulo, no valor de R$ 1.385. Para resolver essa situação, já que não teria sido ele quem fez as compras, foi pedido os dados pessoais e bancários, que foram passados pelo telefone. Na sequência, o falso atendente disse que um agente policial iria buscar o cartão bancário para uma perícia e bloqueio. Um homem esteve de fato na residência, momento que a vítima entregou o cartão. A vítima constatou depois que foram feitas duas compras com uso de seu cartão no valor de R$ 4 mil.


                       
1716792502