Ocorrências da Semana: dupla com droga, estelionato e confusão em fila

Ocorrências da Semana: dupla com droga, estelionato e confusão em fila

DUPLA PRESA

Na noite de sábado (18), durante patrulhamento da Força Tática pela Rodovia Marechal Rondon, sentido Andradina a Castilho, policiais avistaram uma motocicleta Honda 160 de cor preta, ocupada por dois indivíduos que se portaram de modo suspeito, sendo abordados, próximo do km 650, nas proximidades do posto Rodotruck. Os policiais submeterem os dois a busca pessoal e nada de ilícito foi localizado. Em entrevista ao motorista, este informou que tinha passagem pelo crime de tráfico e que iriam para o bairro Vila dos Operadores.

Convictos de que ele não falava a verdade, coordenaram um cerco colocando as viaturas em pontos estratégicos, aguardando o retorno deles. Algum tempo depois, a mesma motocicleta foi avistada retornando, sendo ambos novamente abordados. Em nova busca pessoal, foram localizados dois tijolos de maconha com o passageiro, de 44 anos, morador de Mirandópolis, e seis tijolos com o condutor, de 38 anos, auxiliar técnico de enfermagem e morador de Lavínia, além de uma porção de cocaína (foto). Indagados, informaram que foram até a cidade de Três Lagoas, pegaram o entorpecente e que receberiam a quantia de RS 400 para levar até Mirandópolis, recebendo neste momento voz de prisão, sendo ambos conduzidos ao Plantão Policial e apresentados à delegada de plantão, que ratificou a voz de prisão, à carceragem, ficando à disposição  da Justiça.

SAIDINHA INDIGESTA

Policiais Militares estiveram na delegacia de Mirandópolis na terça-feira (14) informando que foram acionados por populares com a informação de que um indivíduo, supostamente um sentenciado de saída temporária, teria tentado furtar uma residência no bairro Jardim Aeroporto. Eles se deslocaram até o local, em contato com a vítima foram informados de que um indivíduo, de cor branca, estatura média e tatuagens nas mãos, havia tentado furtar alguns objetos de dentro da sua casa.

A vítima revela que conseguiu deter o homem, recuperando os objetos que estavam em suas mãos, porem o homem estava trajando bermuda e camiseta da vítima. O sentenciado fugiu sentido “barraginha”, porem a PM recebeu informação que avistaram um indivíduo com atitude suspeita próximo do CCZ. Ao chegar no local, avistaram um homem correndo descalço, com arranhões nas pernas e com sangramento no nariz e orelha. Ao ser abordado, o homem afirmou estar de saída temporária e que estava correndo para pegar o ônibus rumo a sua cidade. O sentenciado foi conduzido para a delegacia para registro de ocorrência.

PAGOU E NÃO RECEBEU

Um homem de 33 anos compareceu a delegacia de Mirandópolis na terça-feira (14) alegando que no dia 10 de junho, por volta das 8h50, achou um anuncio no Facebook que vendia um iPhone 6 pelo valor de R$ 500. A vítima se interessou e entrou em contato com o anunciante por meio do WhatsApp que estava na postagem. Após a negociação, ficou decidido que seria transferido via PIX o valor de R$ 200, sendo o restante pago posteriormente via boleto.

Após a transferência, o suposto vendedor mandou um link dizendo ser o rastreamento da encomenda, entretanto, ao verificar o link nada constava. A vítima tentou fazer novo contato, porém já estava bloqueado de todas as redes socais, e entendeu se tratar de um golpe.

CONFUSÃO NA FILA

Uma mulher de 26 anos esteve na delegacia de Mirandópolis na sexta-feira (10) noticiando que foi a uma lotérica, onde entrou na fila para atendimento preferencial por estar grávida. Contudo, uma funcionária disse que não tinha mais atendimento preferencial no estabelecimento. Um senhor, então, permitiu que a mulher entrasse na frente dele na fila, momento em que a funcionária se levantou e falou que se ele desse o lugar que teria que ir para o final dela, pois era falta de respeito com os demais que também aguardavam atendimento.

Para evitar transtornos, a mulher foi para o final da fila, quando chegou sua vez de ser atendida, indagou a funcionária sobre o motivo de não ter mais atendimento preferencial, sendo que foi respondido que o número de funcionários para isso era insuficiente. A gravida argumentou que um dos caixas deveria ser preferencial, já que no local existe uma placa indicativa. Neste momento, a mulher disse que a funcionária passou a ofende-la, assim como não realizou os pagamentos que tinha pedido. Uma outra funcionária interveio e resolveu a situação. A vítima manifesta pela apuração dos fatos.