Ocorrências da Semana têm briga por sombra, furto em residência e compra indevida

Ocorrências da Semana têm briga por sombra, furto em residência e compra indevida

BRIGA POR SOMBRA

Um senhor de 54 anos compareceu a delegacia de Mirandópolis na sexta-feira (14) noticiando que trabalha na usina no período noturno e reside em uma chácara na área rural, por isso deixa seu veiculo estacionado em via pública sem atrapalhar a entrada ou saída de veículos. Segundo o autor do boletim de ocorrência, quando chegou do trabalho na quinta-feira (13), tinha no veiculo diversos papeis escritos com dizeres: por favor, não pare aqui, desconfie, quer sombra plante uma arvore, sombra boa, mas é minha e por favor não pare. Também foi descolado o protetor de chuvas da porta do lado direito. A polícia investigará o caso.

FURTO EM RESIDÊNCIA

Uma mulher de 46 anos esteve na delegacia de Mirandópolis na quinta-feira (13) informando que desconhecidos entraram no quintal da sua residência, que fica na rua Ana Luiza da Conceição, no Centro, e levaram um televisor que estava instalado na parede da área da churrasqueira nos fundos. Não houve arrombamento e nem deixaram sinais de escalada. A vitima acredita que o ladrão entrou pela frente da residência, pulando a grade. Já nos fundos do imóvel, usou uma cadeira e um balde para subir e alcançar o aparelho no alto. Não há câmeras de monitoramento no local e ela não tem ideia de quem cometeu o delito.

COBRANÇA INDEVIDA

Um homem de 71 anos foi ate a delegacia de Mirandópolis na quarta-feira (12) relatando que foi a uma loja de departamento para contestar uma cobrança no valor de R$ 49,99 que havia recebido, onde reportava ser de uma compra que ele não fez. Ao conversar com o atendente da loja, foi orientado para ligar em um número 0800, o que ele já havia feito, mas não tinha recebido nenhum retorno. Posteriormente esperou passar um mês, o qual informaram que a compra havia sido cancelada e assim não receberia mais cobrança, já que era parcelada em 10 vezes. Passado um mês, voltou a receber um desconto no valor de R$ 53. Em março, novas cobranças nos valores de R$ 49,99 e R$ 137,32, as quais não efetuou pagamento. O homem alega desconhecer as compras e acredita que estejam usando seus dados para tal. A vitima ainda não chegou a ir no banco para contestar o prejuízo financeiro, no entanto, alega que irá realizar a contestação.


                       
1709014024