Problema com água, anel viário e educação ambiental, confira o que foi pauta na sessão da Câmara de Mirandópolis

Problema com água, anel viário e educação ambiental, confira o que foi pauta na sessão da Câmara de Mirandópolis

Aconteceu na segunda-feira (7) a segunda sessão ordinária de 2022 na Câmara de Mirandópolis. Entraram em pauta 6 indicações, 4 moções de pesar e 1 requerimento. Além disso, o vereador Afonso Carlos Zuin colocou em votação um projeto de lei que institui a Política Municipal de Educação Ambiental de Mirandópolis, e o prefeito municipal, Everton Sodario, colocou na pauta um projeto que dispõe sobre autorização para parcelamento de Tributos Municipais.

O requerimento também foi de autoria do vereador Afonso, que oficializou ao prefeito informações de quais possíveis projetos ou providências estão sendo tomadas em relação ao padrão de energia elétrica que abastece a caixa d’água do bairro São Lourenço de Fátima, que está localizado ao lado da residência de número 10, na rua Ceará, uma vez que o referido padrão e fiação vêm sofrendo avarias constantes.

“No período crítico de seca, do ano passado, tivemos roubo de fiação e problemas com o padrão. Lembro que ficaram dois ou três dias sem água, a gente não sabe quem faz o vandalismo, mas sabemos que está acontecendo e não existe prevenção e proteção. O padrão está aberto para quem quiser ligar ou desligar. Acontece que desligando a caixa d’água fica sem funcionar e consequentemente a população fica sem água. O requerimento é para saber se tem providencia para cercar a área. Peço atenção do senhor prefeito e do departamento de engenharia e obras”, explica Afonso sobre seu requerimento.

INDICAÇÕES

Os vereadores Magali Mazieiro e Emerson Carvalho indicaram a instalação de um redutor de velocidade (lombada) nas proximidades do número 172 da rua Jaguar, no Jardim Aeroporto. Os edis fizeram uma segunda indicação ao prefeito no sentido de providenciar a pintura da capela do Cemitério Municipal.

Já Roberto Gonçalves indicou a implantação de placas de sinalização de redutor de velocidade (lombada) na avenida Nossa Senhora de Fátima, próximo à lanchonete Boinas Lanches.

O vereador Tiago Soares fez uma indicação para que o prefeito verifique a possibilidade, junto ao Governo do Estado de São Paulo, de criar um anel viário no “Pé de Galinha” até a entrada da fazenda Santa Cecília. Segundo o edil, a obra custaria de 4 a 5 milhões de reais. Uma segunda indicação de Soares é a realização de reperfilamento asfáltico na rua João Ferratone, no trecho compreendido entre a rua Júlio Prestes e a rua Bahia. O vereador ainda indicou um reajuste no valor da diária dos motoristas municipais que realizam viagens para fora do município.

MOÇÕES DE PESAR

O vereador Afonso fez uma moção de pesar pelo falecimento de Paulo Sergio da Silva. Já Monica Machado pelo falecimento de Aparecido Bernardo da Silva e João Januário da Cruz. O vereador Roberto fez uma moção de pesar pelo falecimento de Luis Antonio Corrêa.

COMANDANTE NA TRIBUNA

O vereador Emerson Carvalho começou criticando o governador de São Paulo, João Dória, por estar investindo milhões em Mirandópolis na reforma de estradas. “Gastar 30 milhões de reais com recapeamento de algumas estradas, que só alguns pontos que precisariam de reformas, e deixar mil, duas mil pessoas em filas de cirurgias eletivas sofrendo dor, correndo o risco de perder um rim ou de morrer. Quero chamar a atenção de Mirandópolis, esse governador não merece o nosso respeito”.

Carvalho também criticou a falta de fiscalização do município em relação as leis que já estão criadas. “Nós temos uma lei que foi aprovada aqui nessa casa de leis, que precisa de regulamentação (sobre a causa animal), e se nós fizermos hoje um requerimento para saber o que foi feito, notificações a gente pode até ter, mas creio que a resposta em relação a multas é nenhuma. E volto um pouco nessa história, fiz um levantamento de uma lei de 2017, de regularização fundiária, e perguntei para o departamento e descobri que temos aproximadamente mil chácaras e lotes irregulares em Mirandópolis, porque é uma lei que foi aprovada e sancionada em 2017, e não se consegue cumprir a lei, é lamentável”, desabafa Emerson.

GRAMPOLA RESPONDEU

O vereador Grampola Pantaleão iniciou seu discurso na tribuna falando que a responsabilidade dos vereadores é criar a lei, e que a fiscalização é obrigação do executivo notificar ou multar os munícipes. “Essa casa faz leis, aprova e é válida, agora a execução cabe a prefeitura municipal, a fiscalização cabe a prefeitura municipal, as multas cabem a prefeitura municipal. Concordo contigo que precisamos melhorar e muito, inclusive a fiscalização em tudo”, finaliza Grampola.


                       
1716794622