‘Um prefeito que prefere jogar sobras de alimentos no lixo, ao invés de dar para os professores, não vai colocar segurança nas escolas’, afirma Grampola

‘Um prefeito que prefere jogar sobras de alimentos no lixo, ao invés de dar para os professores, não vai colocar segurança nas escolas’, afirma Grampola

Aconteceu na segunda-feira (10), a 6ª sessão ordinária de 2023 na Câmara de Mirandópolis. Entraram em pauta 1 projeto de lei e 1 requerimento, entretanto, o que chamou atenção durante a sessão foram os discursos dos vereadores em relação a temas como segurança nas escolas e lixo nas ruas.

“Um prefeito que prefere jogar as sobras dos alimentos para tratar de porcos, ao invés de dar para os professores, duvido que vai colocar segurança nas escolas, eu não acredito que ele (Mirão) vai ter a hombridade de contratar uma empresa para isso. Espero estar totalmente enganado, que o mais breve possível, assim como o prefeito de Lavínia já fez, que o executivo faça. Se quiser mandar uma lei para essa Casa para fazer a contratação imediata, desde que tenha parâmetro legal, votamos na hora. Essa vontade precisa partir do prefeito!”, analisa Grampola sobre atuação do executivo em relação a segurança nas escolas devido os recentes ataques e ameaças.

LIXO NA RUA

A vereadora Mônica Machado usou seu tempo na plenária para ressaltar a importância da colaboração de toda população na luta contra a dengue. “Recebemos reclamações diárias a respeito de lixo nas esquinas e nos canteiros das avenidas. Pude ver hoje (segunda, dia 10) a prefeitura se movimentando para realizar a limpeza, mas me deixa triste ver a quantidade de entulho e material que a própria população despreza diariamente nas ruas. Nós vereadores temos cobrado o executivo sobre a limpeza, mas também pedimos para a população não jogar o lixo na rua de qualquer forma. Vejo móveis sendo descartados de forma errada, isso é um foco de dengue”, ressalta Mônica.

Segundo Emerson Comandante, a população precisa ter mais respeito e responsabilidade com o lixo que produz, assim como seguir o calendário de limpeza da prefeitura na hora de descartar algo que os coletores de lixo não conseguem tirar. “Se o departamento de fiscalização não começar a multar, não existe governo que de conta do lixo de Mirandópolis. Eu afirmo, essa história de não multar é uma política velha, precisamos mudar isso. Quem constrói uma casa tem que ter recurso para contratar uma caçamba para retirar o entulho. Só multando vejo melhoras em relação a limpeza do município”, reforça Comandante.

PROJETO DE LEI

Entrou em pauta um projeto de autoria do Prefeito Ademiro Olegário dos Santos, o Mirão, que dispõe sobre a abertura no orçamento vigente de crédito adicional suplementar no valor de R$ 1,3 milhão, que tem por finalizada o acréscimo de recursos no orçamento do ano vigente, decorrentes de anulação parcial do saldo existente.

“O projeto faz necessário para o atendimento de diversas demandas, como a adequação do município a Lei nº 12.587, na elaboração do Plano Municipal de Mobilidade Urbana; a aquisição de usina de asfalto estacionária e demais equipamentos; a aquisição de veículo utilitário para a APAE de Mirandópolis (Emenda Federal); e a aquisição de duas vans de transporte de passageiros destinadas ao Departamento de Saúde, que serão custeadas com os saldos remanescentes de emendas federais já realizadas”, diz a justificativa do projeto.

O vereador Comandante ressalta na tribuna a importância da aquisição da usina de asfalto em Mirandópolis. “Sempre questionei o Sodario, prefeito na época, porque não tinha uma usina de asfalto na cidade, com capacidade para produzir diversos caminhões por dia. Hoje com esse projeto que resulta na compra da usina vejo como uma grande conquista. Quanto aos insumos, local de instalação e pessoas capacitadas, entendo que será providenciado na sequência”, finaliza Comandante.

REQUERIMENTO

Os vereadores Afonso Carlos Zuin, Claudio Morena, Grampola Pantaleão, Emerson Comandante, Chutudo, Magali Maziero, Mônica Machado e Roberto Gonçalves, colocaram na pauta um requerimento ao prefeito Mirão, para que apresente explicações e esclarecimentos sobre o questionamento feito por um cidadão e enviado aos vereadores sobre o mandato do ouvidor da prefeitura. O documento ressalta que o cargo seria de dois anos, porém, a servidora atual está na função desde a criação da Ouvidoria, não dando oportunidade a outros servidores municipais.

MOÇÃO DE PESAR

Os vereadores Magali e Comandante fizeram uma moção de pesar pelo falecimento de Tânia Mara Mariconi Sant’anna, ocorrido no dia 29 de março de 2023.


                       
1709020545