Vereadores não aprovam projeto de lei do prefeito Mirão que visava conceder auxílio financeiro para o transporte de estudantes universitários

Vereadores não aprovam projeto de lei do prefeito Mirão que visava conceder auxílio financeiro para o transporte de estudantes universitários

Foto: AGORA NA REGIÃO

Aconteceu na segunda-feira (4), a 26ª sessão ordinária de 2023 na Câmara de Mirandópolis. Além de 5 indicações e 1 moção de aplausos, entrou em pauta um projeto de lei de autoria do prefeito Ademiro Olegário dos Santos, o Mirão, com objetivo de ajustar o auxílio financeiro para o transporte de estudantes universitários e de nível técnico profissionalizante no município de Mirandópolis. Os vereadores rejeitaram o projeto.

Ao entrar em leitura, os 9 vereadores votaram contra o projeto, com isso não foi aprovado. “Fizemos uma reunião com os estudantes há 15 dias atrás, ficou claro o descontentamento deles com esse projeto, pois não é uma garantia que o auxilio será dado, tem várias incoerências que precisam ser ajustadas. Pensando no melhor para a população, decidimos votar contra o projeto”, justificou o vereador Grampola Pantaleão.

INDICAÇÕES

O vereador Afonso Carlos Zuin fez três indicações, sendo uma a instalação de um ponto de iluminação pública na rua Princesa Isabel, entre as ruas Senador Rodolfo Miranda e São João, na altura do número 322. A segunda indicação é no mesmo sentido, visando alguns pontos de iluminação pública na rua Mizael Leandro Alves, acima do número 615 até o cruzamento com a rua Luiz Pilla, atendendo moradores do bairro Paulicéia e Agostinho Franco. “Os moradores reclamam dos pontos de iluminação, o que torna extremamente deficitária a iluminação pública causando assim um grande desconforto e preocupação por conta da falta da mesma”, explica a justificativa da indicação.

Afonso ainda fez uma terceira indicação em que solicita a instalação de um redutor de velocidade (lombada) nas proximidades do número 430 da rua Delmiro Luiz Rigolon, bairro Colina Verde “Fiz essa mesma indicação em 2020, 2021 e 2022, no entanto até o presente momento não foi atendida”, confirma o vereador.

Os vereadores Magali Maziero e Emerson Comandante fizeram uma indicação em que pedem que o prefeito municipal envie a esta Casa de Leis, um projeto de lei que conceda ajuda financeira às pessoas de baixa renda que utilizam aparelhos de oxigênio domiciliar. “Justifica-se a presente propositura, pois assegurará as condições de tratamento em domicílio, tendo em vista o aumento do consumo de energia elétrica quando do uso dos referidos aparelhos para tratamento, em que o cidadão poderá encontrar dificuldades financeiras para o pagamento pelo consumo de energia. Portanto, tal benfeitoria irá proporcionar maior tranquilidade e qualidade de vida”, reforça a justificativa da indicação.

O edil Roberto Gonçalves fez uma indicação em que solicita a instalação de um redutor de velocidade (lombada) na rua Nações Unidas, em frente a Auto Peças Macetão e do consultório do Dr. Celso Antônio dos Santos. “Os frequentadores deste local reclamam do excesso de velocidade dos veículos e motos que ali trafegam. Sendo assim, tal situação representa um grande perigo principalmente para as crianças e idosos, podendo assim ocasionar acidentes graves. Tal benfeitoria além de atender as constantes solicitações dos comerciantes, moradores e frequentadores do local, proporcionará maior segurança e qualidade de vida da população que residem ou trafeguem por esse local”.

Vale ressaltar que a indicação parlamentar não tem caráter obrigatório. Cabe a prefeitura decidir se acata ou não o pedido do vereador.

Estudantes do Sesi recebendo a moção de aplauso na câmara. Foto: Eduardo Mustafa

MOÇÃO DE APLAUSOS

A vereadora Mônica Machado fez uma moção de aplausos aos alunos do 9° ano A e ao professor Cléber Ferreira, da escola SESI de Mirandópolis, por receberem a premiação com o título de “Grande Homenageado”, em virtude de um trabalho sobre Educação Antirracista, na 19° Mostra Internacional de Cinema Negro, realizado pela FIESP e pelo SESI-SP, na sede da FIESP em São Paulo.

“Eles realizaram um trabalho que abordou as questões raciais e das minorias, o qual sensibilizou de maneira crítica os estudantes acerca das diferenças na busca da equidade em nossa sociedade. A proposta foi desenvolver uma jornada para a criação e implementação de ações antirracistas que enalteçam Direitos Humanos em nosso cotidiano. Para isso, analisaram a obra cinematográfica “Quanto vale, ou é por quilo?”, refletiram a temática abordada, procurando elucidar as formas que o racismo e o preconceito contra as minorias estão estruturados em nossa sociedade. Com isso foi proposto o estudo da cartilha “Direitos Humanos e combate ao racismo”, que inspirou a criação de um jornal intitulado Racismo em Xeque”, explica a justificativa da moção.


                       
1721512148