Janeiro branco: mês de conscientização da saúde mental e emocional

Janeiro branco: mês de conscientização da saúde mental e emocional

Foto: Divulgação Janeiro Branco

O ano de 2024 começou e com ele iniciou-se a campanha Janeiro Branco, que visa alertar para os cuidados com a saúde mental e emocional da população, a partir da prevenção das doenças decorrentes do estresse, como ansiedade, depressão e pânico. As doenças mentais podem ser causadas por uma série de fatores, como genética, estresse, abuso de substâncias e traumas.

Nessa lista entram também os transtornos de humor, esquizofrenia e o transtorno bipolar. Esses transtornos decorrentes da saúde mental acabam afetando os indivíduos, que ficam na maioria das vezes impossibilitados (temporária ou permanentemente) de exercer suas funções laborais. 

COMO CUIDAR DA SAÚDE MENTAL

Para tirar algumas dúvidas conversamos com Fernanda Cristina Fioravante, de 39 anos, que é psicóloga Clínica e Escolar, com especialidade em terapia Cognitivo-Comportamental e Neuropsicologia.

A psicóloga reforça que o primeiro passo é enfrentar os estigmas frente ao cuidado com a saúde mental. “Muitas vezes deixamos de identificar sintomas emocionais por não falarmos sobre nossas emoções no nosso cotidiano. Passamos a olhar para os sintomas em fase moderada à grave, por diversas vezes já acarretaram prejuízos em nossa vida”, analisa.

Para Fernanda, o sinal de alerta é identificar a maneira como nos comportamos frente às situações de estresse, vulnerabilidade e riscos, afinal, comportamentos disfuncionais geram mudanças em nossas vidas e esse é o ponto de atenção.

Fernanda Fioravante é psicóloga Clínica e Escolar, com especialidade em terapia Cognitivo-Comportamental e Neuropsicologia. Foto: Divulgação

“Muitas vezes não paramos para refletir sobre o que de fato estamos sentindo. Podemos até identificar uma tristeza, chateação, mas encaramos como supérfluo e até mesmo com tentativas de mascarar ou fugir do olhar para dentro de nós. O que recomendo sempre, quando alguém reconhece algum sintoma psicológico ou transtorno, é buscar ajuda de profissional, pois esperar é sempre a pior escolha”, aconselha.

A profissional ressalta que cada indivíduo é único e carrega com si a sua história de vida, assim construindo seu repertório emocional ao longo de suas experiências. Isso significa que temos que ter um olhar cuidadoso com a nossa jornada pela vida. “O primeiro passo é olhar para si, desconstruindo a ideia que o outro no seu lugar seria mais ou menos forte. Evitar julgamentos e comparações sobre as próprias dores. O segundo passo é compreender que saúde é um termo integrado, não separando corpo e mente. Portanto cuidar da saúde mental, física ou alimentar é uma forma totalizada de olhar para si. Somos um todo e não uma parte. Já o terceiro passo é não permitir ou pelo menos ter consciência dos pequenos sinais, ou seja, não deixar virar uma bola de neve. Sintomas como tristeza, desânimo, falta de interesse e prazer, mudanças de humor, afastamento do convívio social, abuso de substâncias e pensamentos disfuncionais são sintomas que merecem atenção”, define Fernanda.

Buscar um profissional da psicologia logo no início dos sintomas é fundamental para evitar desfechos prejudiciais ao indivíduo e familiares. Aos pais ela deixa a orientação de falar sobre emoções no ambiente familiar, assim como possibilitar uma escuta empática com seus filhos, lembrando que só existe aprendizagem com exemplo.

“Criar momentos de aproximação com os adolescentes, respeitando sua individualidade (marco importante nessa fase) utilizando a comunicação assertiva e evitando a comunicação punitiva. Estar atento aos comportamentos de irritabilidade e de reatividade assim como os comportamentos internalizantes (os mais quietos) com reações mais evitativas, automutilação, repertório musical mais melancólico e menos interesse pelo grupo social ou escola. Na evidência de sinais como estes, recomendo buscar ajuda psicológica o mais rápido possível. Saúde mental é para todos e as emoções começam a se desenvolver na infância. Não desconsidere o sofrimento em nenhuma faixa etária. Saúde Mental é vida”, complementa Fernanda.

Foto: Divulgação Janeiro Branco

IDENTIFICAR AS EMOÇÕES

Mantenha a consciência sobre os sentimentos. Identificar as emoções é fundamental para fazer mudanças em direção ao bem-estar, já que elas têm a função de comunicar sobre os gostos e necessidades individuais. Assim, ao reconhecer as emoções e o fluxo de pensamentos que as acompanham, é possível determinar de forma mais consciente o modo de agir e lidar com situações diversas.

Dê atenção ao momento presente. Pensar constantemente em coisas que já aconteceram ou poderão acontecer é um grande desencadeador de angústia. Portanto, é importante focar nas ações possíveis, naquilo que está no controle e aproveitar as experiências atuais.

O sofrimento emocional, associado ou não a um transtorno mental, pode ser prevenido ou atenuado se as pessoas conhecerem estratégias para cuidar da saúde mental. Reconhecer a presença dele é o primeiro passo para alcançar melhor qualidade de vida, pois a partir daí é possível buscar caminhos terapêuticos para lidar com os problemas emocionais.


                       
1719140757