‘Abrimos oportunidades ajudando pessoas e entidades’, define Milton Koiti, presidente do Rotary em Mirandópolis

‘Abrimos oportunidades ajudando pessoas e entidades’, define Milton Koiti, presidente do Rotary em Mirandópolis

Conversamos com Milton Koiti Maruyama, casado com Nilde (Presidente da Casa da Amizade), com quem tem os filhos Renato e Rita (Presidente do Rotaract). O mirandopolense, funcionário público estadual, assumiu a presidência do Rotary Club de Mirandópolis para o ano 2020/2021. Confira abaixo a entrevista completa.

Como foi a sua infância?
Nasci em 1965 no bairro 3ª Aliança. Sou filho de Kazumi Maruyama (in memoriam) e Naoko Maruyama (in memoriam). Aos três anos de idade mudei para a 1ª Aliança, onde cursei o pré-primário e a 1ª série do primeiro grau. Daí aos oito anos vim para Mirandópolis onde fiz o primeiro grau na escola Hélio Faria.

Sempre morou em Mirandópolis?
Não. Em 1981 mudei para Jundiaí, onde cursei o 2º grau para fazer o curso de técnico em Agrimensura. Em 1984 retornei para Mirandópolis e comecei a trabalhar no Banco América do Sul, onde hoje está a Agroboi. Fiz curso superior de Economia na Faculdade Rui Barbosa, em Andradina, e em 1990, através de concurso público, ingressei no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, onde estou até hoje.

O que gostava de fazer na juventude?
Lembro muito bem da Casa Moreira, Supermercado Estrela e da FIPAM (Feira Industrial, Pecuária e Agrícola de Mirandópolis), onde é o prédio da Prefeitura Municipal e rodoviária. Gostava muito de ir ao cinema, o antigo Cine São Jorge, ir na Sorveteria Marabá e nos fins de semana na Praça Central que era muito movimentada.

Como iniciou na causa social?
Sempre gostei de ajudar o próximo. Já fiz parte da Diretoria da Liga de Beisebol da Noroeste, fui jogador e técnico do time de beisebol e softball de Mirandópolis, sempre ajudo nas promoções do Nipo, e há vários anos que faço parte da Diretoria do Departamento da Atletismo e do Departamento da Liga de Atletismo da Noroeste. Lembrando que sem remuneração financeira. Em 2007/2008, o meu filho Renato foi uns dos integrantes do Interact Club, ocasião em que comecei a conhecer o Rotary, e em setembro de 2009, após receber um convite do meu padrinho de Rotary, Júlio Shimazaki, entrei, onde fui tesoureiro do clube por algumas gestões, e neste ano eleito Presidente.

O que é o Rotary?
Há várias definições de Rotary, mas para ser o mais breve possível poderia dizer que o Rotary International, com sede em Evanston (EUA), é composto por 35 mil Rotary Clubs presentes no mundo inteiro, com mais de 1,2 milhões de associados e divididos regionalmente em Distritos. Juntamente com a Fundação Rotária, que é o braço financeiro do Rotary e capta recursos vindo de doações de rotarianos e de Empresas Cidadãs. Em Mirandópolis, inclusive, onde destinou recursos para a reforma da cobertura do centro de equoterapia e do aquecimento da piscina da Apae, financiou a compra do sistema de aquecimento de água da Amai e adquiriu máscaras de proteção que foram doadas ao Hospital Estadual. Em Mirandópolis, somos um clube de profissionais que reúne líderes das comunidades em que vivem ou atuam, fomentando um elevado padrão de ética, ajudando a estabelecer a paz e a boa vontade do mundo, prestando serviços voluntários não remunerados, em favor da sociedade como um todo ou beneficiando, em casos específicos, pessoas necessitadas ou entidades que atuem também em favor de desamparados.

Quais são os projetos já realizado pelo Rotary?
Do ponto de vista mundial, o maior projeto da Fundação Rotaria é o combate a Pólio, que se aproxima do fim. Mas a nossa missão não estará cumprida enquanto uma única criança sequer continuar ameaçada. Já pelo ponto de vista local, nos meses de maio a agosto, de segunda a sexta-feira, participamos (Rotary, Casa da Amizade e Rotaract) da Campanha Bom Apetite realizada pela escola Sesi, onde entregamos cerca de 8 mil marmitas e 107 cobertores às famílias carentes de Mirandópolis. Essa parceria com a escola nos proporcionou outra parceria, que foi o Movimento Noroeste Com Vida, que nos doou 50 cestas básicas que entregamos às famílias carentes do município nos meses de julho e agosto.

Quais são os futuros projetos do Rotary?
Já faz alguns anos que o Rotary possui um programa denominado Empresa Cidadã e Empresa Agro Cidadã. Este programa atesta a responsabilidade social de uma empresa ou produtor rural ao torná-la parceira do Rotary em sua obra reconhecida de transformar o Brasil. Através da ABTRF (Associação Brasileira da The Rotary Foundation), suas contribuições são destinadas aos projetos humanitários da Fundação Rotária no Brasil. E este ano resolvemos adotar esse programa no nosso clube, e já conseguimos sete empresas cidadã, que são as seguintes: Pet Life Veterinária, Duran Produtos Agrícolas, Mini Shopping Multi Preços, Casa da Amizade, PJN Equipamentos Agrícolas, Laboratório de Prótese Odontológica Fujikawa e Imobiliária Nakamura. Devido a parceria dessas empresas, temos grande possibilidade de conseguirmos projetos de subsídio global e saliento ainda de que as portas estão abertas para novas empresas locais que tenham interesse de participar deste programa. Todos os anos o Rotary Club de Mirandópolis realiza projetos de subsídio distrital e faz doação de bens/equipamentos de infraestrutura à Apae e Amai. Este ano, juntamente com o Rotaract, já fizemos e encaminhamos o projeto à Fundação Rotária para trocarmos o forro do prédio da APAE, estamos aguardando a aprovação. São esses projetos que pretendemos pleitear este ano rotário em benefício da população mirandopolense.

Qual mensagem deixa à população?
Nós temos vários lemas, tais como “Mais Se Beneficia Quem Melhor Serve”, “Dar de Si Antes de Pensar em Si”. Porém todo ano nós temos um novo lema, e o lema deste ano 2020/2021 é “O Rotary Abre Oportunidades”, e através deste lema que convido todos para virem conhecer o Rotary. Nosso Clube está sempre de portas abertas para dar oportunidades aqueles que tenham interesse em servir ao próximo, bem como estabelecer parcerias (empresas) para execução de projetos. Muito obrigado.