AMAI utiliza mais de 5 mil fraldas geriátricas por mês e pede doação; confira os atuais desafios da entidade

AMAI utiliza mais de 5 mil fraldas geriátricas por mês e pede doação; confira os atuais desafios da entidade

O jornal AGORA NA REGIÃO iniciou uma série de entrevistas com as entidades beneficentes, filantrópicas ou ONGs que prestam diversos serviços no município de Mirandópolis. O intuito desta série é mostrar como funciona o dia a dia de cada uma delas.

A reportagem conversou nesta semana com o asilo da cidade. A AMAI    de Mirandópolis (Associação Mirandopolense de Assistência aos Idosos) está necessitando de doações de fraldas geriátricas e pede ajuda da sociedade. A entidade também solicita a doação de alimentos.

Um dos principais desafios da associação é organizar sua vida financeira, que está com um déficit de R$ 15 mil por mês e os recursos que recebe de órgãos públicos não são suficientes para cobrir as despesas. O leilão de gado realizado anualmente ainda é a maior fonte de renda. Confira a entrevista completa com o presidente Luciano Marcos.

Quais são os maiores desafios hoje?

É cobrir o déficit. A prefeitura manda verba para pagar os funcionários, mas ainda temos o déficit de encargos. Hoje, gira em torno de R$ 15 mil mensais. Esse é o maior desafio. Estamos fazendo quase todos os meses eventos para tentar cobrir esse déficit de uma forma satisfatória.

Mas recebem outros recursos?

Além do recurso municipal, também recebemos uma verba estadual, que não é muito, em torno de R$ 5 mil. E temos a verba federal, mas a cada ano que passa está diminuindo mais. Seria R$ 17 mil anuais, mas passou apenas R$ 6 mil. Por isso, nós contamos com amigos e parceiros para fazer as coisas acontecerem. Aqui os idosos fazem cinco alimentações diárias e temos as trocas de fraldas, que estamos necessitando. Se a população ajudar com as fraldas serão sempre bem-vindas. Temos um consumo de 5 mil fraldas por mês. Atualmente, o Município nos repassa 810 fraldas por mês e utilizamos 5 mil mensais. O restante vem por meio de doações ou aquisição da própria entidade.

Quais são os atendimentos ofertados aos internos?

Todos têm acompanhamento de psicóloga, nutricionista e assistente social. Toda área de saúde está inclusa, inclusive atividades de artesanato que os ajudam a entreter no período que ficam aqui. Também temos atividades de alongamento que ajuda na coordenação motora e movimento cognitivo. Essas oficinas ajudam na criatividade também.

E como funciona o trabalho dos especialistas?

A nutricionista faz um cardápio e avaliação do que eles devem alimentar. Todo suporte nutricional é feito. Na área de psicologia existe o acompanhamento individual e coletivo para poderem se desenvolver juntamente com a assistência social. Hoje, temos 16 funcionários atuando na AMAI entre coordenadora, auxiliar de enfermagem, cuidador de idoso, auxiliar de serviços, cozinha, psicóloga, nutricionista, assistente social e enfermeira.

Vocês já têm data de eventos para este ano?

Em março vamos fazer um cachorro-quente, dia 11. Em abril estamos programando a Feijoada do Boi e entre junho e julho queremos realizar o arroz carreteiro, além do tradicional leilão que é feito em dezembro.

O leilão acaba sendo a principal receita da entidade?

Sim, é a principal.

A entidade está inscrita em algum programa social público ou privado?

Por enquanto, não. Nós recebemos R$ 100 mil do governo do estado para fazer a reforma do prédio e estamos para receber outras verbas como, por exemplo, para cobrir um projeto de instalação de energia fotovoltaica, o que trará uma economia de cerca de R$ 2 mil na conta de energia. E estamos no aguardo de outra verba no valor de R$ 200 mil que é voltada para o custeio de alimentação, materiais de limpeza e conservação, de manutenção, entre outras. Por isso, é importante que a população contribuía de alguma forma, se preciso vamos buscar. Geralmente trabalhamos em déficit. É importante dizer também que o asilo tem parceria com os clubes de serviços Lions e o Rotary. O Lions, por exemplo, fornece espaço para que fazemos algumas atividades. Temos parceria também com a turma da Luluzinha que, todos os meses, nos oferecem materiais de higiene pessoal. São parceiros que contamos demais com eles, porém é importante que a população também participe. Antes da pandemia tivemos muitas doações, mas depois diminuímos muito. Neste ano, por exemplo, as doações diminuíram drasticamente.

SERVIÇO

  • Nome: Associação Mirandopolense de Assistência aos Idosos
  • Fundação: 11/12/1989
  • Presidente atual: Luciano Marcos
  • Atendimento: 28 internos (a partir de 60 anos)
  • Nº de funcionários: 16 colaboradores
  • Telefone: (18) 3701-2140 ou (18) 99712-6424
  • Endereço: Rua Gentil Moreira, 926, Vila Brasília
  • Como doar: Pix CNPJ – 59.753.095/0001-67

                       
1716392829