APAE de Mirandópolis inaugura Jardim Sensorial para favorecer terapias ao ar livre

APAE de Mirandópolis inaugura Jardim Sensorial para favorecer terapias ao ar livre

Foto: Eduardo Mustafa

A APAE (Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais) de Mirandópolis inaugurou seu Jardim Sensorial. O espaço foi projetado para despertar os sentidos humanos através do contato com os elementos da natureza.

Construído com doação dos irmãos Felipe, Priscila e Tatiana Semerjion Nepomuceno, o Jardim Sensorial possibilitará terapias ao ar livre para as pessoas com deficiência, atendidas pela APAE, que tem indicação para terapias sensoriais.

“A ideia desse jardim surgiu da necessidade de criarmos um espaço terapêutico sensorial para os nossos alunos desenvolverem os cinco sentidos, pelos quais nos seres humanos podemos sentir o mundo ao nosso redor. É por meio do estimulo de cada sentido – audição, olfato, tato, paladar e visão, que as pessoas podem expandir suas perspectivas”, observou Renata Araujo, diretora da APAE de Mirandópolis.

O JARDIM SENSORIAL

Construído em uma área aos fundos da entidade, o Jardim Sensorial é um projeto inédito na cidade, idealizado de forma voluntária pelo engenheiro Erico Zini (que doou o croqui para arquitetura). O espaço busca desenvolver os sentidos das pessoas com deficiência que necessitam de estimulação sensorial, ao mesmo tempo em que proporciona uma conexão única com a natureza e estimula os sistemas sensorial e emocional, favorecendo o desenvolvimento dos atendidos.

Para estimular o tato, existe uma variedade de texturas, tanto nas espécies de plantas propostas quanto no chamado “tapete sensorial”. Esse percurso, localizado no chão, é especialmente projetado para ser percorrido descalço e conta com elementos que trazem sensações diversas ao serem tocados, como grama, areia, cascalho, cimento e madeira.

Além disso, a visão é estimulada por meio das cores presentes no paisagismo que compõe todo o jardim.

O olfato também recebe atenção especial no Jardim Sensorial. Diversas plantas foram escolhidas por seus cheiros mais acentuados, como lavanda, alecrim, manjericão e hortelã, para estimular os sentidos olfativos dos visitantes, criando uma experiência sensorial completa.

E para estimular especialmente a audição, o jardim conta com o elemento da água em movimento, presente através de fontes. O som suave e relaxante da água corrente proporciona uma atmosfera tranquila e terapêutica.

FAMÍLIA NEPOMUCENO

Felipe, Tatiane e Priscila, são filhos de Luiz Carlos Nepomuceno e Jane Semerjion, que faleceram em 2020, mas que continuam vivos na memoria de muita gente por conta do legado social deixado em Mirandópolis.

Luiz Carlos é neto de Antenor Nepomuceno, que emprestou seu nome a vicinal que liga as cidades de Mirandópolis e Lavínia, e filho de Jarbas Nepomuceno. Apesar de ter nascido em São Paulo, Nepo como era popularmente conhecido, passava todas férias em Mirandópolis, com isso criou fortes laços de amizades. Posteriormente, no início dos anos 2000, acabou assumindo o controle de uma propriedade rural na cidade, com isso fincou ainda mais suas raízes em Mirandópolis.

Sempre que tinha oportunidade, Luiz Carlos e Jane ajudavam APAE, Casa da Criança e AMAI. Entretanto, foi na APAE que eles realizaram dois grandes feitos: a cobertura da quadra e a montagem do consultório odontológico da entidade.

Seguindo o legado dos pais, Felipe, Tatiane e Priscila doaram recentemente para a APAE a construção desse jardim sensorial, que tem como um dos seus principais objetivos promover a inclusão de pessoas com deficiência no contato com a natureza. 


                       
1719198108